Em mais um comunicado à imprensa, a Polícia Militar de Santa Catarina, reiterou, que o Estado, através da PMSC, está prestando assistência ao soldado Jeferson Luiz Esmeraldino, de 33 anos, reformado por incapacidade física, e o apoio necessário a seus familiares.

O policial militar foi alvejado com um tiro de fuzil no abdômen por criminosos que sitiaram Criciúma no ano passado para roubar a tesouraria regional do Banco do Brasil.

Após mais de dois meses internado, ele realiza tratamento na casa dos pais, em Tubarão. A família se mobiliza para a construção de uma edícula, para dar mais conforto e dignidade ao paciente e seus cuidadores.

Conforme informado, ainda que venha recebendo toda a assistência médica necessária, a família do soldado relatou, através da mãe, dificuldade de comportar toda a equipe e familiares na casa e, também, do alto valor gasto em energia devido à grande quantidade de equipamentos ligados 24 horas por dia.

“Ao Sd PM Ref Esmeraldino são assegurados direitos, serviços e ações, permanentes e interativas, de remuneração, pensão, saúde e assistência, que integram o Sistema de Proteção dos Militares, previstos na legislação, dentre as quais a lei no 6.218/1983 (Estatuto dos Policiais Militares de SC) na lei no 5.645/1979 (Lei de Remuneração dos Policiais Militares de SC)”, ressaltou a corporação.

As despesas decorrentes com os atendimentos e tratamentos médicos são, totalmente, custeadas pelo Estado, com as indenizações previstas na legislação, acrescentou a PM.

Conforto

Com o objetivo de construir uma edícula com maior comodidade e acessibilidade ao soldado Esmeraldino, foi criado um grupo de voluntários, dentre os quais participa a Audax Construções, através do senhor Alexandre e do engenheiro Mauricio.

Com projeto arquitetônico desenvolvido por policiais militares, engenheiros e arquitetos, a Audax, de forma espontânea, terá a missão de gerenciar todo o processo de construção da obra, fazendo, desde a regularização e aprovação dos projetos, assim como coordenar e fiscalizar a construção do início ao fim.

Caberá a empresa relacionar todos os materiais a serem utilizados, onde buscará, juntamente com o grupo de voluntários, parceiros e fornecedores para reunir o necessário para a realização da obra.

A empresa não fornecerá mão de obra, portanto foi criada uma conta corrente exclusivamente para receber ajuda financeira, sendo a mesma gerenciada pela mãe de Esmeraldino, onde todos os recursos arrecadados serão empregados na contratação da mão de obra necessária para a execução da edícula.

Após a conclusão da obra, a titular da conta e o grupo de voluntários, dentre os quais, o comandante da 6ª RPM e o comandante do 9º BPM, farão a prestação de contas, através da divulgação de todos os recursos financeiros e materiais empregados na construção.

Estado de saúde

Conforme a empresa responsável pelos cuidados, Esmeraldino apresenta sequelas neurológicas, tanto motora como cognitiva, encontra-se no domicílio de sua mãe, intercalando entre leito e poltrona. Respirando em ar ambiente, com auxílio de traqueostomia.

Apresenta ganho ponderal e estável, respondendo bem aos tratamentos médicos, de enfermagem, nutrição, fisioterapia, e fonoaudiologia, ainda sem condições de deglutição, uso de gastrectomia para alimentação e hidratação, segue com supervisão 24h.

A atenção ao soldado Esmeraldino é realizada com o emprego dos seguintes profissionais:

  • Técnicos de enfermagem: 24h
  • Fisioterapia: 2x ao dia
  • Fonoaudiólogo: 1x ao dia
  • Terapeuta ocupacional: 3x na semana
  • Nutricionista: 2x ao mês.

 

 

Imagem: Reprodução RTV - Cinegrafista Jean Cléber