A Polícia Militar divulgou, no sábado (28), uma nota oficial sobre o caso em que policiais militares comentam ataques contra instalações da Polícia Civil e do Judiciário. O vídeo utilizado em reportagem da NSC, em reportagem do Jornal do Almoço. As imagens mostram PMs lotados em Tubarão, no Sul de Santa Catarina, que invadiram uma casa para descobrir quem havia riscado o veículo de um deles. O vídeo circula nas redes sociais e chegou ao alto comando da Polícia Militar. A PM acredita que a filmagem tenha sido feita em setembro, período em que o estado registrou ataques a prédios públicos. A Polícia Civil já identificou os policiais e os homens abordados. Uma investigação foi iniciada pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Tubarão. Na nota, a PM diz que afastou os policiais militares envolvidos no fato. O comando da Polícia Militar afirma, ainda, que tudo será apurado com o rigor necessário. “Neste sentido, reafirmamos o irrestrito respeito e o sincero apreço por tais Instituições, com as quais mantemos e manteremos duradouras e harmoniosas relações de cordialidade, parceria e cooperação institucionais”. Confira a nota na íntegra: “Sobre os vídeos difundidos pelas redes sociais, em que policiais militares lotados em Tubarão, ao verbalizarem com um cidadão, produzem insultos e incitações à violência contra magistrados bem como a danos contra instalações do Judiciário e da Polícia Civil, a Polícia Militar esclarece que: 1 - Tão logo tomou conhecimento dos fatos, o Comando-Geral da Corporação determinou a instauração de um inquérito policial militar; 2 - Os policiais militares envolvidos foram afastados das funções. Tal fato isolado, do qual repudiamos com veemência, será apurado com o rigor necessário. Neste sentido, reafirmamos o irrestrito respeito e o sincero apreço por tais Instituições, com as quais mantemos e manteremos duradouras e harmoniosas relações de cordialidade, parceria e cooperação institucionais”. Paulo Henrique Hemm Coronel PM comandante-geral da PM/SC