A Polícia Militar de Santa Catarina já instaurou um IPM (Inquérito Policial Militar) para investigar o homicídio do soldado Jeferson da Silva Marafian. Ele foi assassinado na noite de quarta-feira (31) pelo também soldado da PM, Anderson Dieymes David, 30 anos. O crime foi passional. O soldado Dieymes não se conformava com o fim do casamento. Ele seguiu a mulher, também policial militar, até o Motel Colonial, localizado em Pirabeiraba, na zona Norte de Joinville, onde ela se encontrava com o novo amor, e matou o rival com um tiro na cabeça. O crime polarizou todas as atenções da Polícia Militar, que ficaram chocados ao descobrir que os protagonistas do trágico triângulo amoroso eram todos colegas. Todos atuavam na 1ª Companhia de Garuva e respondiam ao comandante do 27º Batalhão. A soldado é a primeira policial feminina a trabalhar em Garuva. Segundo o tenente-coronel Moisés Eduardo Garcia Junqueira, comandante do 27º Batalhão de Polícia Militar, o soldado Dieymes assumiu o crime. Ele foi preso em flagrante e detido no 8º BPM.  “É um crime passional, com a peculiaridade de envolver policiais militares”, afirma. Por se tratar de crime envolvendo agentes da Polícia Militar, o crime será investigado e julgado pela própria PM. “A Polícia Militar tem competência legal e constitucional para apurar e tratar do caso”, destaca o comandante. Nesta quinta-feira (1), o soldado passou por audiência de custódia em Florianópolis. "Conheço o policial Dieymes, que mato, e a esposa Bruna. Ele é uma excelente pessoa, pena que se perdeu e transtornado pelo ciúmes cometeu esse crime", escreveu uma internauta. O OCP publicou a informação em primeira mão em SC. Confira em: - Crime passional: Policial militar é morto por outro policial em motel de Joinville