A Justiça de São Paulo converteu em preventiva, a prisão em flagrante de Luiz Antônio Ferreira da Silva, acusado de ter assassinado a facadas o seu amigo José Roberto Gomes Mendes por divergências políticas, em Itanhaém, no litoral paulista.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo), o crime aconteceu na terça-feira (4), na Avenida Santo André

A Polícia Militar informou que o crime ocorreu por volta das 15h e que, ao ser acionada para atender a ocorrência, encontrou um homem de 52 anos caído ao solo com ferimentos no rosto, costa e pescoço causados por uma faca.

A morte foi constatada por uma equipe médica do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Os policiais detiveram um homem de 42 anos que relatou ser amigo e morar junto com a vítima e que eles teriam discutido por causa de diferenças políticas.

Segundo informações policiais, o autor do crime seria apoiador do PT, e a vítima, apoiadora do presidente Jair Bolsonaro.

A briga teria começado após Mendes ter dito a Silva que "todo petista é ladrão".

Silva não teria gostado do comentário e, depois de uma briga, ele teria ser armado com uma faca e desferido ao menos oito golpes contra a vítima, matando-a.

Em nota, a Prefeitura de Itanhaém diz que o assassino foi preso em flagrante no local e que esfaqueou o amigo por “desinteligência”.

Segundo a prefeitura, “ambos tinham instabilidade emocional” e não seria possível afirmar “que a motivação do crime foi política”.

A arma utilizada no crime foi apreendida e o homicídio está sendo investigado pela Polícia Civil.

Nos últimos meses, a violência provocada por divergências políticas têm se intensificado.

Em julho, o guarda municipal Marcelo Aloizio de Arruda, apoiador do PT, foi assassinado pelo policial penal federal Jorge Jose da Rocha Guaranho, apoiador de Bolsonaro, durante sua festa de aniversário em Foz do Iguaçu (PR).

*Com informações da Agência Brasil.