O julgamento do caso de um padrasto que abusou de três irmãs por seis anos seguidos nesta semana resultou na sentença de 80 anos de reclusão por estupro de vulnerável, em regime fechado.

A audiência ocorreu na Comarca de Palhoça. O padrasto estava preso desde o andamento do processo.

Além dele, outro homem foi condenado a 22 anos de prisão pelo mesmo crime. O segundo réu era namorado da irmã mais velha, que engravidou quando tinha 13 anos.

Segundo o Ministério Público de Santa Catarina, a violência iniciou quando as crianças tinham 6 anos e durou até os 12. Os repetidos abusos foram detalhados pelas vítimas no processo de investigação.

A denúncia apresentada pela 8ª Promotoria de Justiça da Comarca de Palhoça relata que, entre 2007 e 2013, se aproveitando da ausência da mãe, o padrasto abusou das três meninas.

Os abusos iniciaram quando com a mesma idade para as três, perto dos 6 anos. Para garantir o silêncio das meninas, o padrasto ameaçava matar as três irmãs.

Já o segundo réu passou a namorar a filha mais velha quando ela completou 13 anos. Ele manteve relações sexuais com a menina, que engravidou.

A denúncia ainda aponta que o rapaz abusou e teve relações sexuais com a irmã do meio. O jovem poderá recorrer da decisão em liberdade.

O Promotor de Justiça Alexandre Carrinho Muniz, autor da denúncia, destaca que após garantidos os direitos à ampla defesa e o contraditório, e passando por uma instrução que preservou as vítimas para que elas não fossem revitimizadas, a sentença prolatada pela Juíza reconheceu a procedência da acusação feita pelo Ministério Público, aplicando a pena dentro da lei.

 

Com informações do Ministério Público de SC

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger