Um homem denunciou à redação do jornal O Correio do Povo um suposto erro médico ocorrido em Guaramirim.

O técnico em mecânica Guilherme Santos Schweig, 23 anos, tomou um medicamento ao qual é alérgico, mesmo tendo avisado a um enfermeiro e uma médica. O caso ocorreu na manhã de terça-feira (26), no Hospital Municipal Santo Antônio.

Guilherme foi até a unidade e foi diagnosticado com um quadro de virose, doença que causa febre, vômito, diarreia e dores pelo corpo.

Atendido por um enfermeiro, logo relatou que era alérgico às composições dipirona e ácido acetilsalicílico. Depois, a médica receitou ibruprofeno, um remédio indicado para o alívio da febre e dores.

“Perguntei se ele tinha algo que pudesse me dar alergia. Ela afirmou que eu poderia tomar sem medo. Eu fiquei todo inchado por causa do remédio. Eu estava sozinho e nem conseguia abrir os olhos", diz Guilherme.

"Quando fui olhar na bula do remédio, tinha uma contraindicação para quem é alérgico a acetilsalicílico. Isso pode matar, causa asfixia. Imagina se isso acontece com uma criança que nem sabe falar. O que a mãe vai poder fazer?”, questiona o jovem.

A reportagem do jornal O Correio do Povo procurou a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Guaramirim, que administra o hospital.

Após fornecer a receita dada para Guilherme, foi dada uma resposta. Em nota, o Hospital Municipal Santo Antônio lamenta o ocorrido e diz que vai verificar a ocorrência, “pois casos como esse não podem acontecer”.

“Consta no sistema e prontuários a reação alérgica do paciente, porém, a médica fez um receituário externo (fora do sistema) e o caso será apurado para que as devidas providências sejam tomadas. O hospital esclarece que, até então, não teve registro de casos assim e que agirá conforme o Conselho Regional de Medicina”, afirma a nota.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?