O piloto de um helicóptero que, aproximadamente um ano atrás, realizou uma manobra considerada perigosa, passando com a aeronave debaixo de uma ponte em Rio do Sul, foi penalizado. Tanto ele quanto o operador receberam multas que, somadas, chegam a R$ 1.750.

A informação foi passada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ao Jornal Diário do Alto Vale.

O caso ocorreu no dia 16 de maio de 2020, no elevado José Thomé, quando cerca de 25 voluntários aproveitavam o nível baixo da água para fazer um mutirão de limpeza no rio Itajaí-Açu.

A manobra da aeronave, que passou a poucos metros das pessoas, acabou assustando os presentes. Toda a ação foi filmada e ganhou repercussão nacional.

Segundo a prefeitura, a ponte tem apenas 14 metros de altura. Na época voluntários chegaram a afirmar que iriam registrar boletim de ocorrência, já que a manobra teria colocado a vida de várias pessoas em risco.

Como esse tipo de manobra só pode ser realizada com autorização prévia, o que não era o caso, os envolvidos acabaram sendo responsabilizados.

De acordo com a assessoria de imprensa da Anac, a investigação sobre o caso foi iniciada em maio do ano passado e o processo foi finalizado cerca de cinco meses depois.

Diante da conclusão da manobra perigosa foram lavrados autos de infração para o operador da aeronave e para o piloto que resultaram em multas totalizando R$ 1.750.

O órgão divulgou ainda que outra penalidade aplicada foi a suspensão de 90 dias da habilitação técnica de HMNT do piloto, mas que todas as sanções administrativas já foram cumpridas.

Limpeza do rio foi um sucesso

Apesar de o episódio com o helicóptero ter tirado o foco da ação voluntária que acontecia graças ao envolvimento de várias entidades e até do Poder Público, os voluntários cumpriram a missão com sucesso e retiraram do rio dezenas de sacos de lixo, 80 pneus, bicicleta, sofá, cama e até um aparelho de ar-condicionado.

Fonte: Jornal Diário do Alto Vale