Nesta segunda-feira, a Polícia Federal (PF) encaminhou à Justiça Federal o relatório final do inquérito policial decorrente da Operação Benedetta, deflagrada em 20 de maio deste ano, em Urussanga. Na operação, o prefeito Gustavo Cancellier (PP), foi afastado e segue, de suas funções.

Segundo a PF, as investigações possibilitaram constatar a execução de obras públicas em desacordo com os projetos. Em apenas duas das obras realizadas com recursos do Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento voltado ao Setor Público (FINISA) os exames periciais identificaram a prestação de serviços superfaturados em valor superior a R$ 640 mil.

Em nota, a PF informou que no inquérito policial, iniciado em setembro de 2020, foram indiciadas 14 pessoas, entre servidores públicos municipais, engenheiros e empresários, pela prática dos crimes de organização criminosa; desvio de recursos; extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento; falsidade ideológica e peculato.

“As penas, que culminadas podem chegar a 29 anos de reclusão, podem variar e não necessariamente serão imputadas de maneira igual a todos os envolvidos, pois cada investigado responderá na medida de sua culpabilidade”, explicou.

Sigilo

“Tendo em vista os questionamentos recebidos, informamos que não haverá coletiva de imprensa ou fornecimento de outras informações além das previstas na nota”, limitou-se a PF.