A Escola Municipal de Ensino Fundamental Cristina Marcatto, no bairro Jaraguá Esquerdo, saíram duas duplas vencedoras que irão disputar a 23ª Feira Catarinense de Matemática, que acontecerá em Criciúma, de 27 a 29 de setembro. A classificação ocorreu na última sexta-feira (4), durante a 8ª edição da Feira de Educação Matemática, no Parque Municipal de Eventos. Os 18 trabalhos expostos no evento, voltados ao estudo da disciplina e sua aplicação no dia a dia, representaram escolas de Jaraguá, de Massaranduba e do Senai. Entre os projetos dos estudantes Marcelly Henn, 12, e Luíza Kuling, 12, do sétimo ano, e de Enrico Dultra, 11, e Gustavo Gnewuch, 11, do sexto ano, a professora Mirela Gonçalves era o ponto em comum. Por meio das formas e ângulos das pizzas e do jogo de quebra-cabeça tangram, Mirela mudou o olhar dos alunos sobre a temida matemática. A professora salienta que além de tornar a matéria mais atrativa, utilizou os temas escolhidos para instigá-los e fazer com que eles mesmos descobrissem as fórmulas e criassem o projeto. Marcelly e Luíza usaram a pizza para absorver o conteúdo da disciplina no sétimo ano. “Vimos a geometria das embalagens, valores, qual forma compensa mais comprar, sua história e também uma linha do tempo”, contam as estudantes. No fim do projeto, a turma preparou uma fornada de pizzas para confraternizar. O momento fez com que Luíza gostasse ainda mais de matemática e mudou a opinião de Marcelly em relação à disciplina. “Pensava que as fórmulas não pudessem ser aplicadas em assuntos da nossa rotina e tinha dificuldade para absorver os ensinamentos”, comenta. Já para os alunos do sexto ano, Enrico e Gustavo, o tangram foi um jogo que se transformou em instrumento para o aprendizado. O estudo passou pela história do quebra-cabeça chinês, trabalhando o desenho descritivo, montagem dos triângulos, nomenclatura, análise de geometria, frações e outros cálculos matemáticos. “A professora nos ensinou uma maneira mais divertida de aprender. Antes, eu não gostava da matéria e minhas notas ficavam na média, agora evoluí bastante”, destaca Gustavo. O reconhecimento e valorização do trabalho realizado são outro ponto de incentivo. “Foi a primeira vez que participei de uma competição. A emoção é grande, principalmente quando foi anunciado. Comemoramos muito”, revela Enrico. Os quatro estudantes foram premiados na categoria D, dos anos finais. Esta foi a terceira edição que a professora conseguiu levar projetos orientados por ela para a etapa estadual. “Acredito que desta forma eles compreendem o conteúdo com mais facilidade e o fixam por mais tempo. Já vi alunos que passaram por mim no ensino fundamental crescerem e apresentaram outros projetos no ensino médio”, avalia Mirela. Podem participar da feira crianças matriculadas na educação infantil e ensino fundamental da rede pública municipal de Jaraguá do Sul, ensino fundamental e médio da rede estadual da microrregião e as escolas privadas de Jaraguá do Sul. “Acredito que desta forma eles compreendem o conteúdo com mais facilidade e o fixam por mais tempo. Já vi alunos que passaram por mim no ensino fundamental crescerem e apresentaram outros projetos no ensino médio.” Mirela Gonçalves, professora Reportagem de Dyovana Koiwaski para o jornal O Correio do Povo