O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) entregou, na tarde desta quarta-feira (22), a denúncia contra Marcelo Kroin, 38 anos, acusado de matar a companheira, Andreia Campos Araújo, 28 anos.

De acordo com o promotor de Justiça, Marcio André Zattar Cota, Marcelo deve ser processado por homicídio, com quatro qualificações: feminicídio, com o agravante da vítima estar grávida de três meses, uso de asfixia e recurso que dificultou a defesa.

Ele também será acusado de tentativa de ocultação de cadáver e fraude processual. De acordo com o promotor, Marcelo agrediu muito a vítima. O laudo cadavérico confirma as lesões e que Andreia foi morta por asfixia.

“Ele vai ser denunciado por homicídio, com a qualificadora do feminicídio, por serem companheiros e da condição da vítima ser mulher. Ele vai ser denunciado por usar recurso que impossibilitou a defesa da vítima e também pelo uso da asfixia. Ela levou uma gravata e morreu em decorrência disso. Tem, ainda, o agravante de ela estar grávida, o que aumenta a pena de um terço até a metade”, descreve.

O promotor também vai denunciar Marcelo pela tentativa de ocultação do cadáver. Após a morte, ele enrolou a vítima em um cobertor, a colocou no carro e levou o cadáver no banco do passageiro até Canoinhas. Sem saber o que fazer, retornou com o corpo até Jaraguá do Sul.

Promotor Marcelo Cota entregou denúncia nesta quarta | Foto: Eduardo Montecino/OCP News

A acusação de fraude processual se dá pelo fato do acusado ter utilizado o celular para forjar um suposto rompimento com a companheira. “Ele simulou algumas mensagens para tentar enganar as autoridades, tentar se eximir da responsabilidade por esse fato grave, pelo crime que ele cometeu”, explica.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?