O comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Corupá, José Norberto Muller, denunciou a prática de rachas na BR-280, no trecho de serra entre Corupá e São Bento do Sul. Muller afirma que, nos fins de semana, motociclistas com motos de alta cilindrada se reúnem no pé da serra para realizar as corridas clandestinas. Um homem morreu e outro ficou gravemente ferido possivelmente em uma dessas corridas, realizada no sábado (17), quando duas motocicletas invadiram a pista contrária em alta velocidade e bateram de frente contra um caminhão. De acordo com Muller, diversos acidentes já foram provocados pela prática ilegal nos últimos meses. Motociclistas de outras cidades estão vindo para a cidade para pilotar em alta velocidade naquele trecho. Ele comenta que ligou por volta das 14h para informar à Polícia Rodoviária Federal em Rio Negrinho que um grupo de motociclistas estava em uma lanchonete no pé da serra para esperar a melhora do clima. No sábado, estava chuviscando e havia uma forte neblina atrapalhando a visibilidade no trecho. “O resultado disso foi o que acabou de acontecer. Um óbito e um ferido grave após as duas motos ficarem embaixo do caminhão. Em todos os fins de semana, nos sábados e domingos, existe o pega na serra. Eles devem ter algum sistema de comunicação. Inclusive, eu já avisei para a Polícia Militar que eles estão apostando corrida na rua Abílio Lunelli, mas eles devem ter algum tipo de comunicação ou copiam o rádio da PM, porque eles conseguem fugir todas as vezes que a polícia vai até lá”, comenta o comandante. O Núcleo de Comunicação da Polícia Rodoviária Federal em Santa Catarina afirma, por meio de nota, que é comum acontecerem encontros de motociclistas em todo o Estado. O comunicado ressalta que a fiscalização sobre motocicletas não é intensificada por causa do baixo efetivo. “A maioria das motos que vão a estes eventos são veículos de grande potência. Os motoristas viajam em grupos e em alta velocidade. Infelizmente, alguns não respeitam a sinalização e fazem ultrapassagens em local proibido. Não significa que estejam disputando racha”, afirma a PRF. Mas um agente do posto de Rio Negrinho disse à equipe do O Correio do Povo que no ano passado foi realizada uma operação para coibir a prática naquele trecho. A Seção de Comunicação do 14º Batalhão de Polícia Militar, responsável pela fiscalização do trânsito em Corupá, foi questionada sobre a prática de rachas na rua Abílio Lunelli. Até o fim da edição, a PM ainda estava verificando a situação.