Uma moradora de Bombinhas, no Litoral Norte de Santa Catarina, vende pães e cucas na rua nos pontos mais movimentados da cidade seguindo um modelo que, para o Brasil, é inusitado: Todas as terças-feiras pela manhã antes de sair para o trabalho, ela monta a "Mesa da honestidade". No local, expõem os produtos para venda e deixa uma caixinha para o cliente colocar o dinheiro da compra. As informações são da NSC.

Márcia Sena é pedagoga, e trabalha na fundação cultural da cidade, e assim que monta o mesa com os produtos que prepara em casa, ela vai para o serviço. "Como sou sozinha e trabalho até as 14h da tarde, não dava tempo. Eu tenho que cumprir o meu horário no trabalho", explica sobre a motivação para montar a mesa na rua sem deixar alguém cuidando.

"Durante a madrugada eu preparo os produtos e depois eu levo à mesa. Eu achei uma forma da mesa trabalhar para mim. E eu confio muito nas pessoas", disse.

Antes de decidir montar a mesa, a pedagoga vendia os produtos de porta em porta ou pela internet. Mas resolveu apostar em um novo formato para conseguir uma renda extra sem comprometer seu horário de trabalho na fundação.

A inciativa já completou um mês. Por volta das 14h, ela retorna ao local que deixou a mesa para buscar o que sobrou.

Embora seja inusitado para o Brasil, esse modelo de varejo é comum em países como Reino Unido, Japão e Alemanha, especialmente me regiões rurais onde a circulação não é grande o bastante para justificar manter um funcionário para as vendas.