Reportagem de Verônica Lemus para o jornal O Correio do Povo. "Aqui se materializa a filantropia", declarou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, após conhecer de perto o modelo de gestão que conduz os dois hospitais de Jaraguá do Sul. A visita à estrutura do hospital São José e ao Jaraguá aconteceu na tarde de sexta (27), durante passagem pela cidade. "Muitos hospitais filantrópicos acham que ter o certificado para não pagar impostos sobre a operação e tabela SUS resolve o problema, mas não, a conta não fecha", completou o ministro; Em apresentação, o presidente do Conselho Deliberativo da Associação Hospitalar São José, Vicente Donini, mostrou a trajetória e atual modelo de gestão da entidade, conduzida pela iniciativa privada. Segundo Donini, em 2016 cerca de 89,5% dos pacientes atendidos pelo Hospital São José eram usuários do SUS. O empresário também pontuou que a tabela do sistema único de saúde cobre apenas 65% dos serviços prestados na saúde pública. A atualização da tabela do SUS é uma das demandas do hospital, apresenta ao ministro. "Não falta dinheiro na saúde, precisa ser justamente distribuído", avaliou Donini. O Hospital Jaraguá também falou sobre a condução dos serviços. Na unidade, o percentual de atendimentos pelo SUS varia de mês a mês, mas mantêm-se na média de 60% a 70%. Ao ministro da Saúde, o presidente do Conselho Administrativo da entidade, Luís Fernando da Rocha Roslindo, solicitou suporte para os atendimentos cardiovasculares, sendo necessário o credenciamento junto ao Ministério para que o hospital possa receber os repasses pelos serviços prestados à região. Barros disse que irá fazer o possível para atender à solicitação. O secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso (PSDB), explicou que convidou o ministro à cidade para sensibilizá-lo a respeito do trabalho que é feito pela comunidade nos dois hospitais do município, destacando a importâncias das entidades para a saúde pública da região. "Trouxe o ministro para ele ter a sensibilidade de ver o trabalho de uma comunidade em fazer esse hospital, com esse nível, que se assemelha a um Einstein, um Sírio-Libanês, oferecer esse trabalho para o SUS", destacou o secretário.

 Ministro Ricardo Barros foi recebido por comitiva durante a passagem pelos dois hospitais - Foto: (Eduardo Montecino)

A intenção, segundo o ministro, é levar este modelo em outras cidades do país. "Viemos entender como se pode motivar a sociedade organizada de uma cidade a contribuir diretamente para que o serviço do SUS possa ter mais qualidade e um padrão de excelência, como temos aqui, como direito da população", finalizou Barros. Acompanhando a visita do ministro, estiveram os deputados federais Esperidião Amin (PP) e Mauro Mariani (PMDB), o prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli (PMDB), e o vice Udo Wagner (PP), o secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável, Carlos Chiodini (PMDB), o ex-prefeito de Jaraguá do Sul, Dieter Janssen (PP), o secretário de Saúde de Corupá, Irineu Pasold, a ex-suplente de senador Niura Demarchi, entre outras autoridades. "Trouxe o ministro para ele ter a sensibilidade de ver o trabalho de uma comunidade em fazer esse hospital, oferecer esse trabalho para o SUS." - Vicente Caropreso, secretário de Estado da Saúde "Viemos entender como se pode motivar a sociedade organizada de uma cidade a contribuir diretamente para que o serviço do SUS possa ter mais qualidade e um padrão de excelência." - Ricardo Barros, ministro da Saúde "Não falta dinheiro na saúde, precisa ser justamente distribuído." - Vicente Donini, presidente do conselho do Hospital São José Ministro da Saúde Anuncia  R$ 170 milhões para o estado Durante a passagem pela capital de Santa Catarina, na sexta-feira (27), o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou cerca de R$ 170 milhões em novos recursos para o setor no estado. Do montante, R$ 30,5 milhões serão destinados anualmente, de forma permanente, para o custeio de serviços prestados, mas que não recebiam contrapartida do governo federal. O restante do montante total, R$ 139,5 milhões, é referente a emendas parlamentares. Jaraguá do Sul, por meio do Hospital São José, foi contemplada com R$ 89,3 mil, para atendimentos de média complexidade da oncologia. Os R$ 30,5 milhões atenderão a 55 serviços distribuídos em 35 municípios catarinenses, como leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), voltados para atendimentos de urgência e emergência, custeio de serviços hospitalares e ambulatoriais voltados à assistência especializada, incluindo atendimentos de média e alta complexidade. Segundo o ministro, esse recurso anual, juntamente com as linhas de crédito junto à Caixa Econômica Federal e BNDES Saúde, devem aliviar a crítica situação dos hospitais filantrópicos do estado, entre eles as instituições de Jaraguá do Sul – Hospital e Maternidade São José (HMSJ) e Hospital Jaraguá. Em Santa Catarina, os hospitais filantrópicos são responsáveis por 70% dos atendimentos do SUS (Sistema Único de Saúde). Além dos recursos, o ministro salientou a renovação da frota do Samu do Estado, com a doação de 31 ambulâncias à Santa Catarina. Segundo informações do Ministério da Saúde, na microrregião Guaramirim será contemplada com um veículo. Quanto a obras, Barros destaca o valor de R$ 52 milhões no Estado, em empenhos para mais de 100 obras, como construção de academias de saúde e unidades básicas.