Ministério Público denuncia padrasto de Hector por tortura seguida de morte

Foto: Divulgação/Redes Sociais Foto: Divulgação/Redes Sociais

Segurança

Por: William Fritzke

terça-feira, 04:44 - 14/06/2016

William Fritzke
O Promotor Criminal Márcio Cota, representante do Ministério Público de SC, após analisar o caso da morte do pequeno Hector de 10 meses, morto em Jaraguá do Sul, em 5 de maio deste ano, resolveu denunciar o padrasto da criança pelo crime de tortura seguida de morte. O promotor entendeu que ele exagerou ao ‘corrigir’ a criança para que parasse de chorar e causou sua morte por traumatismo craniano. Analisando todo o caso, segundo Cota, foi possível observar que houve o crime de homicídio, com agravante de tortura aplicada à criança como forma de “corretivo” ao choro do bebê. Fato inclusive testemunhado por muitas pessoas. Se condenado, Adão Rodrigues Barbosa, de 31 anos pode cumprir uma pena de 8 a 12 anos de prisão. Com relação a mãe da criança, o promotor concluiu que ela pode ter sido omissa, mas não há indícios que caracterizam crime.
Corpo da criança foi enterrado após ser analisado no IML Foto: Divulgação
Corpo da criança foi enterrado após ser analisado no IMLFoto: Divulgação
Relembre o caso https://www.youtube.com/watch?v=v7bCzlCZGQU No dia 05 de maio de 2016, a morte de um bebê de dez meses começou a ser investigada pela polícia de Jaraguá do Sul. O fato foi registrado por volta das 21 horas. A Polícia Militar recebeu a denúncia de que o padrasto havia jogado a criança no chão, durante uma discussão com a mãe, em uma casa da rua João Klein, no bairro Vila Lenzi. Em contato com os Bombeiros, foi confirmada que o bebê de dez meses, um menino identificado como Hector Pereira, foi encaminhado para o hospital em estado grave. Os pais da criança informaram aos policiais, já no Hospital e Maternidade Jaraguá, que o bebê havia caído da cama de uma altura de aproximadamente um metro. A versão foi contestada pelo médico, já que a criança não apresentava sinais de trauma provocado por queda de altura e o exame de raio-x não mostrava irregularidades.  De acordo com uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do hospital, a criança teve uma parada cardiorrespiratória e precisou ser encaminhada à UTI (Unidade de Terapia Intensiva).  Apesar de todas as tentativas dos médicos de reanimar o bebê, ele não resistiu e veio a óbito.  
×