Um casal suspeito do assassinato de uma criança de dois anos foi detido em Campos, no Rio de Janeiro.

O homem e a mulher foram localizados na tarde desta quinta-feira (1º), em São Francisco de Itabapoana.

Segundo informações da Polícia Militar, os suspeitos foram localizados dentro de uma residência.

Em coletiva de imprensa, a delegada Madeleine Dykeman, responsável pelo caso, informou que a perícia confirmou, por meio de laudos, que a vítima foi abusada sexualmente e espancada, havendo rompimento do hímen e fissura recente no ânus.

A morte foi em decorrência de uma hemorragia contundente, que provocou a laceração do fígado e do baço.

O laudo ainda comprovou que existiam lesões tardias que indicaram a prática de maus-tratos.

Questionada porque não tinha levado a filha ao médico antes, por conta dos hematomas, a suspeita alegou ter procurado um pediatra somente esta semana.

“A omissão dela foi relevante para que esse crime acontecesse. Então, em razão disso, foi pleiteada a prisão temporária de 30 dias. Nós vamos finalizar as diligências para concluir o inquérito e enviar para a Justiça", disse Madeleine.

A delegada ainda destacou o papel dos médicos da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) no repasse de informações precisas, que ajudaram na investigação.

Eles prestaram depoimentos, onde confirmaram que a vítima chegou a unidade sem vida, contradizendo a história contada pela suspeita.

O suspeito, por sua vez, tinha passagens na polícia por crime de roubo em 2018 e estava junto com a parceria há quatro meses.

De acordo com a delegada, o mesmo estaria usando drogas minutos antes do crime.

A menina morreu na noite de quarta-feira (31), na Unidade de Pronto Atendimento de Guarus.

O caso está sendo investigado pela 146ª Delegacia Legal, já que o corpo da vítima tinha vários hematomas.

De acordo com o boletim de ocorrência, a menina estava desacordada e foi levada ao hospital pela mãe, por volta das 20h30.

Ao chegar a unidade, os médicos tentaram fazer a reanimação, mas não tiveram sucesso.

Diante da apresentação dos hematomas, a Polícia Militar foi acionada e a mãe teria contado que havia saído para comprar café e deixou a criança com o padrasto.

Ao chegar, encontrou a filha no colo do homem convulsionando, momento este em que a levou ao hospital.

O padrasto da menina também foi chamado para prestar esclarecimentos e disse que a vítima pediu para ir ao banheiro e teria caído.

Ele ainda teria tentado socorrer a menina, jogando água em seu rosto e desenrolando a língua da criança.

A criança possuía lesões no rosto, no pescoço, na cabeça, no quadril, nas costas e um edema na cabeça.

O corpo da menina foi removido para o IML (Instituto Médico Legal de Campos para perícia.

*Com informações do portal Ururau.

Receba no seu WhatsApp somente notícias sobre segurança pública:

Whatsapp

Grupo OCP Segurança