Locutor de rádio é morto a tiros enquanto transmitia seu programa

Foto: Reprodução Facebook

Por: Elisângela Pezzutti

06/11/2023 - 10:11 - Atualizada em: 06/11/2023 - 10:13

Um locutor de rádio foi morto a tiros enquanto transmitia ao vivo seu programa no Facebook em sua casa no domingo (5). O caso aconteceu no Sul das Filipinas e provocou uma caça aos seus assassinos e a condenação do presidente do país.

Juan Jumalon, que também era conhecido como “DJ Johnny Walker”, foi baleado por criminosos não identificados. O Sindicato Nacional de Jornalistas das Filipinas (NUJP) emitiu um comunicado em que afirma que o crime foi um “assassinato descarado”.

“O ataque é ainda mais condenável porque aconteceu na própria casa de Jumalon, que também servia como estação de rádio”, diz o texto. O sindicato também afirmou que Jumalon é o quarto trabalhador da mídia morto desde que o presidente Ferdinand Marcos Jr. chegou ao poder em junho passado.

De acordo com informação do Departamento de Polícia Ocidental de Misamis, o assassinato ocorreu por volta das 5h30, quando o autor do crime entrou na casa e atirou no rosto de Jumalon. A morte do locutor foi declarada no hospital, segundo a polícia.

A transmissão ao vivo de domingo (5) não está mais no Facebook, mas os vídeos do incidente que circulam na internet mostram Jumalon fazendo uma pausa e desviando o olhar da câmera antes de dois tiros serem ouvidos.

Três suspeitos identificados

A polícia já identificou pelo menos três suspeitos, incluindo duas pessoas que entraram na casa e um motorista em fuga, informou o capitão Diore Libre Ragonio, oficial encarregado da delegacia, durante uma coletiva de imprensa.

Ragonia disse, ainda, que a polícia está investigando os possíveis motivos, incluindo se o ataque estava relacionado ao trabalho de Jumalon na rádio ou a assuntos pessoais.

O presidente Ferdinand Marcos Jr. condenou o ataque e declarou que ordenou à Polícia Nacional das Filipinas que investigue minuciosamente a morte de Jumalon.

“Ataques a jornalistas não serão tolerados em nossa democracia, e aqueles que ameaçam a liberdade de imprensa enfrentarão todas as consequências de suas ações”, disse Marcos em comunicado nas redes sociais.

As Filipinas, conhecidas por serem um dos lugares mais perigosos do mundo para jornalistas, estão classificadas em 132º lugar entre 180 países no Índice de Liberdade de Imprensa da Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

 

*Com informações da CNN