A Justiça do Distrito Federal determinou, a pedido do Ministério Público, a internação psiquiátrica compulsória de uma jovem suspeita de planejar um ataque armado em uma escola pública no Recanto das Emas, na região Sudoeste da capital federal.

De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, o pedido, feito neste sábado (22), visa garantir a segurança da suspeita e de terceiros. Segundo o MP, os pais da jovem foram intimados, assim como a Secretaria de Saúde do DF foi oficiada para o cumprimento da medida.

As informações preliminares que subsidiaram a investigação contra a suspeita foram compartilhadas pela Agência de Investigações de Segurança Interna do governo dos Estados Unidos, por meio de um acordo de cooperação com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, que acionou a polícia no Distrito Federal.

Durante operação deflagrada pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos na última sexta-feira (21), a jovem chegou a ser levada à delegacia, mas foi em seguida liberada, por não se configurar prisão em flagrante.

No depoimento, a jovem confessou a pretensão de realizar o ataque. O delegado-adjunto da DRCC, Dário de Freitas, destacou que a cooperação policial internacional foi fundamental na neutralização de uma tragédia. “Trata-se de um excelente exemplo de colaboração entre os países envolvidos (EUA e Brasil), o Laboratório de Inteligência Cibernética (SEOPI) e a PCDF”, afirmou o delegado.

De acordo com o Ministério Público, o plano para o ataque seria executado no momento em que aulas presenciais pudessem ser retomadas.