Justiça de SP mantém preso policial que matou funcionário da CET

Foto: Reprodução Redes Sociais

Por: Claudio Costa

17/07/2023 - 05:07 - Atualizada em: 17/07/2023 - 05:49

O TJSP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) decidiu manter em prisão preventiva – sem prazo de duração – o policial militar acusado de matar um funcionário terceirizado da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) de São Paulo.

A morte ocorreu na quinta-feira (13), após uma placa de sinalização, que estava sendo afixada por Alberes Fernandes de Lima, de 34 anos, cair no policial em razão do vento.

A morte do funcionário fez com que moradores da Zona Norte da capital paulista, onde o trabalhador residia, realizassem manifestações nas últimas duas noites.

Eles atearam fogo em objetos e interromperam o trânsito de veículos na Rodovia Fernão Dias. Os protestos foram combatidos pela polícia, que utilizou bombas de gás e balas de borracha.

O funcionário, que recebeu um tiro na cabeça, chegou a ser socorrido ao hospital, mas não resistiu. Ele deixa quatro filhos e esposa.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública informou que o caso está sendo investigado por meio de inquérito policial instaurado pelo 13°Departamento de Polícia, da Casa Verde.

O policial militar de folga, de 40 anos, foi indiciado por homicídio e encaminhado ao presídio militar Romão Gomes após passar por audiência de custódia.

*Com informações da Agência Brasil.

Notícias no celular

Whatsapp

Claudio Costa

Jornalista pós-graduado em investigação criminal e psicologia forense e pós-graduando em perícia criminal.