O defensor dativo de Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, autor da chacina na Escola Infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste catarinense, solicitou averiguação de sanidade mental, já que o "agressor apresenta traços de psicopatia".

O pedido foi indeferido pelo juiz da comarca de Pinhalzinho, Caio Lemgruber Taborda, em decisão na tarde desta quarta-feira. Fabiano, que assassinou três crianças e duas professoras a golpes de uma espécie de espada, já teve a prisão em flagrante convertida para preventiva.

Por não ter advogado contratado, a defesa está sendo feita pelo advogado nomeado, Kleber dos Passos Jardim, do município de Papanduvas, região Norte catarinense.

O caso tramita em segredo de justiça na comarca de Pinhalzinho, que atende à demanda de Saudades e Nova Erechim.

De acordo com informações da assessoria de imprensa do Hospital Regional do Oeste, onde o agressor está internado, o rapaz passou por cirurgia e segue em estado grave na Unidade de Tratamento Intensivo.

Após alta hospitalar, será encaminhado para unidade prisional, onde permanecerá até conclusão do processo e julgamento.

"Sua maior preocupação era quantas pessoas havia conseguido matar, demonstrando seu desprezo pela vida humana e sua incapacidade de retornar, ao menos neste momento inicial e mediante as informações coletadas, ao convívio da sociedade, o que demanda seu encarceramento cautelar".

"Assim, as circunstâncias dos fatos ora apurados evidenciam exacerbada periculosidade do conduzido, sendo que sua liberdade, sem qualquer dúvida, representa grave abalo público e risco para a sociedade, diante da possibilidade de reiteração das condutas praticadas por pessoa que já demonstrou não possuir arrependimento nem dar valor à vida", reiterou o magistrado.