Foto Reprodução/Redes Sociais
Foto Reprodução/Redes Sociais

Jaraguá do Sul registrou seis assassinatos em 2018, um a menos que no ano anterior. Para o delegado regional Adriano Spolaor, os índices registrados na cidade estão entre os menores do país.

O chefe da Polícia Civil na região comenta que o número de homicídios está estável na cidade e “absolutamente controlado”. Ele aponta o combate ao tráfico de drogas como o fator principal para o baixo número de mortes.

No entanto, quatro das seis mortes ocorreram dentro do âmbito familiar da vítima. Outro caso foi atribuído a uma vingança e o último teve relação com o tráfico de drogas.

Isso faz com que o delegado regional acredite que os homicídios ocorridos na cidade são ocasionais e, por isso, sejam mais difíceis de ser combatidos pelas polícias Civil e Militar.

“Isso mostra que Jaraguá do Sul, diferente de outros locais, não tem como causa determinante para os homicídios o tráfico de drogas, esse um grande causador de homicídios em todo o país. Graças ao combate das polícias Civil e Militar ao tráfico, nós temos isso em pequena quantidade. Esse combate reflete na pouca atuação dessas organizações criminosas”, comenta Spolaor.

Além do bom índice de emprego e outros fatores sociais e culturais, Adriano ressalta que há o trabalho conjunto das polícias Civil, Militar, do Ministério Público de Santa Catarina e do Judiciário, que acabam por minimizar os índices de criminalidade e fazer com que o número de homicídios não seja alto.

Homicídios registrados em 2018

Briga em quitinete

O primeiro assassinato em Jaraguá do Sul foi registrado no dia 10 de fevereiro. O chapa Paulo Cesar Rodrigues, 48 anos, foi atacado a facadas pela companheira após uma discussão. O crime ocorreu em uma quitinete na rua Venâncio da Silva Porto, no bairro Nova Brasília.

A vítima foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e morreu ao dar entrada no hospital. A mulher alegou legítima defesa e foi solta no mesmo dia do crime. O inquérito foi encaminhado para a Justiça. Ela responde ao processo em liberdade.

Casal embriagado

A segunda morte registrada na cidade ocorreu no dia 4 de abril, em uma casa na rua Max Wilhelm, no bairro Baependi. A briga que culminou no homicídio teria sido motivada por ciúmes e embriaguez.

David William de Castro Pereira, 25 anos, bateu na companheira e se armou com uma faca. A mulher conseguiu tomar a arma branca dele e desferiu uma facada no seu abdômen.

A vítima foi socorrida, mas morreu a caminho do hospital. A mulher foi presa, sendo solta posteriormente pelo Habeas Corpus Coletivo dado a mães de crianças menores de 12 anos.

Vingança por abuso

Baleado no rosto, Sergio Antonio Costa morreu no dia 14 de julho, no bairro Santo Antônio. O crime ocorreu a 50 metros do seu mercadinho, na rua Hercílio Anacleto Garcia, no bairro Santo Antônio.

Dois meses após o assassinato, a Divisão de Investigação Criminal (DIC) localizou Adilson dos Santos Silva, 36 anos, conhecido como Naco.

Ele é apontado como o mentor do assassinato. O motivo teria sido um abuso cometido por Costa contra a sua filha.

Naco está preso no Presídio Regional de Jaraguá do Sul. O comparsa e executor, um menor de 17 anos, está em liberdade.

Repercussão nacional

O feminicídio de Andreia Campos Araújo, 28 anos, ocorreu no dia 5 de agosto e ganhou os noticiários do Brasil. A frieza com que o algoz, Marcelo Kroin, 38 anos, se comportou após o crime impressionou a todos.

O homicídio ocorreu após uma festa de família e, segundo o laudo do Instituto Geral de Perícia, a vítima, que poderia estar grávida de três meses, foi espancada e estrangulada.

Kroin está preso. Ele alegou legítima defesa e responde ao processo na Justiça.

Feminicídio seguido de suicídio

Uma relação conturbada, marcada por ciúmes, consumo de drogas, longos dias de distância e muitas brigas nos poucos dias de convivência.

Assim era o relacionamento de cerca de dois anos do detento do Presídio Regional de Jaraguá do Sul, Evandro Valderi Vitor de Souza, 38 anos, e a dona de casa Luciane Ribeiro, 26.

No dia 26 de novembro, dois dias após uma saída temporária, Evandro matou Luciane a tiros e, logo em seguida, cometeu suicídio.

Linchamento por dívida de drogas

Cesar Vasel, 34 anos, foi assassinado na manhã do dia 11 de agosto, no pátio de uma casa na rua Clara Schreiner Verbinen, no bairro Estrada Nova, em Jaraguá do Sul. No fim da madrugada do dia 11 de agosto, Vasel estava em um churrasco.

Ele teria, segundo os suspeitos, invadido a casa vizinha para cobrar uma dívida de drogas. Após bater em uma mulher, foi espancado e esfaqueado. Três adolescentes e uma mulher foram acusados pelo crime que segue em segredo de Justiça.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?