Presente em 17 dos 18 anos do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), o sargento Luiz Carlos Massaneiro é uma figura querida pelas crianças. Quando nos quintos anos das escolas da região de Jaraguá do Sul, ele fala de forma clara sobre os temas para ajudar tornar os alunos pessoas melhores. Sempre próximo dos garotos e garotas, ele explica que o objetivo principal do programa é prevenir o uso e o abuso de drogas lícitas e ilícitas, além de conscientizar os pequenos sobre o problema da violência. Dos mais de 70.419 alunos que passaram pelo Proerd na região, 14 mil crianças passaram pelas aulas do sargento Massaneiro. “Eu passei por todas as escolas da região do 14º Batalhão. Desde Massarandubinha, nas proximidades de São João do Itaperiú, até aqui perto das cachoeiras de Corupá, que é a escola Francisco Mees”, revela. Segundo ele, 3.420 alunos se formam no programa neste ano na região de Jaraguá do Sul.
Massaneiro com a turma três do 5º ano da Escola Básica São José, em Corupá | Foto Eduardo Montecino/OCP
Nesta sexta-feira (17), o policial militar comandou mais uma aula do programa na turma três do 5º ano da Escola Básica São José, em Corupá. Os 26 alunos da classe têm total atenção às suas palavras, que têm pitadas de respeito e humor. A pequena Bianca Bueno de Oliveira Gramm, de 11 anos, é uma das alunas da classe. Ela presta atenção a todos os ensinamentos do instrutor, que falava nesta sexta sobre bullying. “Eu gosto do jeito que ele faz brincadeiras e como ele ensina a gente. Com as suas brincadeiras, ele deixa tudo claro pra gente”, revela Bianca, ao ressaltar que passou a ajudar mais os pais nas tarefas de casa depois que começou a participar das aulas do Proerd. Massaneiro comenta que esse tato com as crianças é um dom. “Tem pessoa que o feeling de trabalhar com medicina e tem pessoas que tem o feeling de trabalhar com crianças. Eu, particularmente, sei trabalhar com crianças. Quando eu estou conversando com as crianças, receber o carinho delas é algo natural. Mesmo que não seja na sala de aula, que esteja em outro ambiente, as crianças automaticamente demonstram aquele carinho, aquele sorriso. Não há como explicar isso com palavras, é só quem faz esse trabalha para sentir o que eu sinto na sala de aula”, comenta o instrutor do Proerd.
"Quando eu estou conversando com as crianças, receber o carinho delas é algo natural", comenta Massaneiro | Foto Eduardo Montecino/OCP
O sargento da PM revela que é inenarrável a sensação de repassar boas práticas todos os dias para as crianças. “Eu sinto que estou numa profissão correta, onde sou útil para as pessoas. Eu tenho certeza que essas crianças levarão para o resto da vida esses ensinamentos, essas brincadeiras. Você não entra só na cabeça da criança, mas também no coração dela pelo resto da vida”, explica. De acordo com Massaneiro, com a chegada da tecnologia, as abordagens durante as aulas mudaram. Além da violência e o uso de drogas, os cinco policiais que trabalharam com o Proerd na região também falam sobre o uso consciente das redes sociais. “A gente sabe que a violência não está só no contato físico e social entre as pessoas. Na minha concepção, as pessoas utilizam das redes sociais para cometer atos criminosos e até abusos. A gente trabalha muito em cima dessa questão para trazer essas novas realidades para eles”, afirma.
Aluno fazendo atividade do Proerd em escola de Corupá | Foto Eduardo Montecino/OCP
Duas formaturas do Proerd acontecem nos próximos dias na região. Em Jaraguá do Sul,a maior da região, a solenidade acontece na Arena Jaraguá, na terça-feira (21), às 19h30. Em Corupá, a formatura acontece no dia 12 de dezembro, às 19h30. O local é o Ginásio Municipal de Esportes de Corupá.