Um servidor público preso em flagrante por participar de um racha que causou a morte de um empresário na Avenida Beira-Mar, em Florianópolis, terá um pedido de habeas corpus julgado nesta semana. A defesa do motorista apresentou o recurso solicitando a revogação da prisão preventiva do acusado.

As informações são do Diário Catarinense.

Gladson Hoffmann da Silva foi preso em 20 de maio deste ano, após participar de um racha na Avenida Beira-Mar, na Capital. Ele colidiu o carro que guiava em alta velocidade, um Honda Civic, na traseira de um Honda HRV, que transitava na pista, próximo ao elevado do CIC.

O empresário Maurício Lisboa, 72 anos, que dirigia o HRV, morreu no local. Segundo informações da Guarda Municipal na ocasião, Gladson estaria participando de um racha com outros dois carros que também trafegavam em alta velocidade na via.

O julgamento do habeas corpus de Gladson está na pauta da sessão de quinta-feira (7) da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC).

No pedido, a defesa de Gladson aponta ilegalidade na forma de decretação de prisão preventiva na audiência de custódia e defende que após mais de um mês de reclusão, "não mais se justifica a prisão para a garantia da ordem pública". A petição frisa que o acusado seria réu primário, servidor público e sugere medidas alternativas contra o investigado, como suspensão do direito de dirigir, comparecimento periódico ao juízo ou até mesmo substituição por prisão domiciliar. Até o momento não houve manifestação sobre o habeas corpus.

Enquanto a defesa busca o habeas corpus para revogar a prisão preventiva, o processo que investiga o caso segue em tramitação na Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Florianópolis. O denunciado responde por homicídio com dolo eventual. A audiência de instrução e julgamento está prevista para o dia 12 de setembro.

Vídeo do momento da batida: