Uma tragédia. É assim que o delegado de Corupá, Clóbio Maurício Francisco, define a morte acidental de Edson Beseke, de 30 anos, nesta sexta-feira (9). Ele foi atingido por um disparo acidental da própria arma que carregava durante uma atividade de caça. Segundo o delegado, ele e o cunhado foram ainda na quinta-feira para o local. A intenção era realizar corte de árvores e também praticar caça. “Eles foram e levaram a arma para praticar caça. Hoje de manhã, quando saíram, ele se posicionou para fica na espera das aves que pretendia abater. Não se se escorregou ou se bateu com a arma em um galho que acionou o gatilho”, explica. Francisco conta que era por volta de 5h30 quando Edson e o cunhado saíram para caçar. A pouca visibilidade pode ter colaborado para o acidente, acredita o delegado. Os disparos da espingarda de dois canos, calibre 28, lesionaram a parte interna do fêmur, atingindo a artéria femural, fazendo com que ele perdesse muito sangue rapidamente. “A arma não tem trava e ainda era escuro. Provavelmente ele bateu com o gatilho que disparou e acertou ele mesmo”, completa. O cunhado, que estava distante cerca de 40 metros ouviu o disparo e pediu socorro. Morador de Corupá, ainda não informação a respeito do velório e sepultamento de Edson.