Homem matou o próprio amigo por desconfiar que sua ex teria se relacionado com ele

Foto: Divulgação Polícia Civil

Por: OCP News Criciúma

11/01/2024 - 10:01 - Atualizada em: 11/01/2024 - 10:34

Na manhã da última segunda-feira (dia 8), o corpo de um homem, com diversas lesões, foi encontrado no interior de um veículo estacionado à margem da Rodovia Jovino Piucco, Areias de Macacu, Garopaba, por uma guarnição da Polícia Militar.

Imediatamente, a Polícia Civil foi acionada, dando início à investigação, com o apoio das forças de segurança locais. Os elementos colhidos levaram à conclusão de que a vítima teria sido morta por um amigo. Segundo apurado até o momento, o autor teria decidido matar seu amigo por desconfiar que sua ex-companheira teria se relacionado com a vítima.

Então, na noite de domingo (07), o autor, após consumir altas doses de drogas, teria atraído a vítima até sua casa nas proximidades da Praia do Siriú, onde acabou por agredi-la até a morte, com socos, chutes e facadas. Em seguida, teria colocado o corpo no veículo da vítima e o levado até o local onde foi encontrado. Após abandonar o veículo com a vítima, o autor teria empreendido fuga, levando consigo o aparelho celular subtraído da vítima.

Descoberta a autoria do crime, a autoridade policial representou pela decretação da prisão preventiva do homicida, tendo em vista que informações colhidas na cidade davam conta de que ele pretendia fugir do estado. Assim, obtido o decreto prisional por meio do plantão do Poder Judiciário estadual com a concordância do Ministério Público, os policiais civis e os policiais militares de Garopaba localizaram o autor do crime já próximo da meia-noite de terça-feira.

O investigado estava a bordo de um veículo rumo à saída de Garopaba, com uma mala de roupas e certa quantidade de dinheiro, o que confirmou a suspeita de que estava buscando fugir da cidade.

O homem foi encaminhado ao Presídio de Imbituba, onde permanecerá à disposição da Justiça, ao passo que o inquérito policial será remetido ao juízo nos próximos dias.

Importante destacar a atuação integrada das forças policiais (Polícias Civil, Militar e Científica) e dos órgãos da persecução penal (Poder Judiciário e Ministério Público), que permitiu a rápida e efetiva resposta do estado frente a tão bárbaro crime.