Um gato-maracajá, ameaçado de extinção, foi encontrado em um galinheiro, em uma propriedade no bairro Ribeirão Molha, em Jaraguá do Sul (SC) na última quarta-feira (7).

Ele aparentava ser jovem e chegou a comer sete galinhas da proprietária. Depois de ser avaliado pelos biólogos da Fujama, foi solto na natureza. Esse foi o primeiro da espécie resgatado no município.

De onde vem o gato-maracajá?

O gato-maracajá ou simplesmente maracajá (nome científico: Leopardus wiedii) é um felino nativo da América Central e América do Sul.

Tem, como característica uma cauda mais longa do que seus membros posteriores. Os seus pêlos são amarelo-escuros nas partes superiores do corpo e na parte externa dos membros.

Tem manchas sob a forma de rosetas com uma região central amarela por todo o corpo, da cabeça à cauda.

Uma característica da espécie são seus olhos bem grandes e protuberantes, como também, focinho saliente, patas grandes e cauda bastante comprida.

É um animal de hábitos noturnos e solitário. Possui uma grande habilidade arborícola, porém sua locomoção se dá a maior parte do tempo pelo chão.

Seu período de gestação dura em média em torno de 81 a 84 dias, vindo à luz apenas um único filhote por vez.

Espécie quase ameaçada de extinção

A espécie se encontra listada como "quase ameaçada" pela IUCN, por sua ampla distribuição geográfica, sendo encontrada desde a zona costeira do México até o norte do Uruguai e Argentina e em todo o Brasil (com exceção do Ssul do Rio Grande do Sul).

Estima-se que nos próximos 15 anos a população sofrerá um declínio de pelo menos 10%, principalmente pela perda e fragmentação de habitat relacionadas a expansão agrícola.

No Brasil, a espécie já se encontra na lista vermelha (ameaçado) no Estado da Bahia.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger