O caso da adolescente Patry Lauren Zasnieski, de 16 anos, que morreu poucas horas após desmaiar em uma casa noturna na cidade de São Francisco do Sul, no Litoral Norte de Santa Catarina, continua repercutindo nas redes sociais no início desta semana.

Paty, como era mais conhecida, foi sepultada na tarde desta segunda-feira (13), no Cemitério Municipal de São Francisco do Sul. Ela deixa um filho de um ano. O delegado responsável pelo caso, Marcel Araújo de Oliveira, aguardará o exame cadavérico que deve apontar a causa da morte da adolescente. Segundo a Polícia Civil, a mãe negou que a menina de 16 anos tinha histórico de uso de drogas.

O desmaio

Os Bombeiros Voluntários de São Francisco do Sul foram acionados para a ocorrência de desmaio por volta das 4h de domingo (12). A vítima foi atendida pelos socorristas na porta de entrada do Banana Joe, e conduzida até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Sandra Regina. Segundo a unidade, a garota chegou com sinais vitais estáveis e recebeu atendimento médico antes das 5h.

A avaliação do médico indicou que a adolescente estava com sintomas de ingestão de bebida alcoólica. Segundo o relato, a garota estava com fala arrastada, mas não sentia dor. Ela recebeu um medicamento para o controle do vômito. A mãe da garota foi chamada e neste intervalo tempo, de cerca de uma hora, a paciente ficou em observação. Ela estava acompanhada de três amigos, que negaram que a colega havia consumido drogas.

Com a chegada da mãe e melhoria no quadro de saúde, a paciente foi levada de carro para casa. No entanto, às 9h40, os bombeiros foram chamados novamente para atender a adolescente, desta vez na residência da família, em Ubatuba. Quando os socorristas chegaram no local, a garota estava com parada cardíaca. Ela foi levada para a UPA, onde morreu às 10h45.

O que disse o responsável pela casa noturna

Nas redes sociais, o proprietário do Banana Joe, José Carlos de Miranda, disse que a adolescente apresentou autorização para entrar no estabelecimento e estava acompanhada de uma pessoa maior de idade. Após quadro de tontura, a própria adolescente teria pedido para sair do estabelecimento. O dono afirmou que realizam controle na casa noturna para não vender bebida alcoólica para menores de idade, mas não há como fazer fiscalização rígida da posse de drogas, pois não são realizadas revistas íntimas.

Quer receber as notícias no WhatsApp?