GAECO cumpre prisão de investigado pela prática de incitação e apologia ao crime, auxílio ao suicídio e à automutilação e maus-tratos a animais em SC

Foto: Criado por Inteligência Artificial/IA Bing

Por: Claudio Costa

13/12/2023 - 14:12 - Atualizada em: 13/12/2023 - 19:18

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) cumpriu, na manhã desta quarta-feira (13), um mandado de prisão preventiva e dois mandados de busca e apreensão.

As investigações, que seguem sob sigilo, iniciaram a partir de buscas ativas e recebimento de informações do Ciberlab do Ministério da Justiça e Segurança Pública, e são presididas pela 2ª Promotoria de Justiça de Imbituba, com apoio do CyberGAECO.

As práticas investigadas estão inseridas em um contexto de vivência paralela digital, em que jovens, escondidos sob pseudônimos e acreditando no anonimato que a internet aparenta possibilitar, buscam reconhecimento e idolatria por outros seguidores – com o objetivo de se tornarem administradores de canais, grupos ou servidores populares em tais meios.

Nesses ambientes virtuais, promovem a transmissão ao vivo de autolesão, instigação ao suicídio, extirpação de animais domésticos e atos ofensivos à dignidade sexual – práticas comumente associadas a extorsão e ameaças de divulgação de imagens íntimas das vítimas.

Dentre as vítimas que se encontravam sob o domínio psicológico e coercitivo do investigado, duas já foram identificadas e poderão, desde já, contar com suporte na área da saúde.

As ordens judiciais foram expedidas pela Vara Criminal de Imbituba.

Os integrantes do CyberGAECO ressaltam a importância dos pais estarem presentes na vida dos filhos para avaliação de suas integridades físicas, uma vez que é prática comum, no início do estado de dominação psicológica, a realização de agressões ao próprio corpo, principalmente nos membros inferiores ou na região peitoral – com lesões que fazem referência ao pseudônimo ou a símbolo utilizado pelo administrador do canal, grupo ou servidor.

 

Notícias no celular

Whatsapp

Claudio Costa

Jornalista pós-graduado em investigação criminal e psicologia forense e pós-graduando em perícia criminal.