Na manhã da última terça-feira (20), seis filhos de uma família tradicional da cidade de Lucas do Rio Verde-MT, foram até a delegacia de polícia para denunciar o próprio pai pelo crime de homicídio.

Os filhos alegam que descobriram após investigações que o pai, conhecido fazendeiro da cidade, de 78 anos, teria cometido o homicídio contra a própria esposa, Pierina Carroro na cidade de Quilombo - SC, no dia 27 de janeiro de 1982.

 

 

De acordo com os filhos, o pai teria provocado à morte da esposa para casar com uma empregada, a qual convive até hoje, após a mãe ter descoberto a traição e ter pedido o divórcio.

De acordo com a família, Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982 no interior de Santa Catarina — Foto: João Ricardo da Cruz/Cenário MT

Durante todos esses anos ele dizia aos filhos que a mulher tinha sido assassinada em um assalto! Por aproximadamente três horas os filhos da vítima permaneceram em oitiva com o delegado Daniel Santos Nery. De acordo com o delegado, o idoso deve permanecer em liberdade já que o crime prescreveu.

Ao passar dos anos, os seis filhos que nunca aceitaram a versão apresentada pelo pai, para justificar a morte da mãe, passaram a investigar o que de fato teria ocorrido na época. “Foram mais de três meses de investigação para chegar à verdade. Nós desconfiávamos que não era a versão que ele contava.

Então após muitos anos, reunimos os irmãos e decidimos por nossa conta fazer um relato dos fatos”, disse emocionado o filho de Pierina para repórteres da imprensa local. Os filhos, antes de procurar a polícia civil, se reuniram com o pai e durante uma longa conversa, acabou revelando os detalhes do que realmente aconteceu.

Sem derramar lágrimas, o idoso justificou aos filhos que, naquela época, a descoberta da traição e, consequentemente a separação, não seriam aceitas na sociedade.

Entenda o ocorrido

Os filhos descobriram que ao invés do assalto, na verdade o marido da falecida planejou uma viagem sozinho com a mulher até a cidade de São Carlos (SC). O casal saiu de madrugada de casa e ele levou um revólver. No trajeto até a suposta viagem o marido simulou que o pneu do carro havia furado. Ele parou o carro, pegou uma pedra a acertou a cabeça da mulher.

Ele ainda arrastou o corpo da vítima até uma sarjeta, atirou no peito dela e a abandonou no local. O marido, para sustentar a versão, jogou uma pedra no para-brisa e desde então sempre contava que a mulher havia sido assassinada em um assalto nessa viagem.

O boletim de ocorrência registrado em Lucas do Rio Verde será encaminhado para a Polícia Civil de Santa Catarina que vai decidir se vai abrir uma investigação sobre o caso.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger