A aplicação malfeita de pontos cirúrgicos em um hospital de Pouso Redondo, no Alto Vale, acabaram por desmascarar uma falsa médica itinerante. As informações são da NSC.

Vinda do Paraguai, ela apresentou uma carteirinha forjada do Conselho Federal de Medicina e alegou ter esquecido o diploma no Paraguai.

Por ser estrangeira, a Polícia Civil chegou a precisar do apoio da Interpol para entender o caso. A mulher foi presa em flagrante, mas liberada após pagamento de fiança.

​Paraguaia, a suposta médica de 34 anos chegou ao Hospital Comunitário Annegret Neitzke na última sexta-feira (6) como profissional itinerante.

O gerente da unidade, Wilton Pinto afirmou às autoridades que ela disse à administração ter esquecido no Paraguai o diploma, mas apresentou a carteirinha do Conselho Federal de Medicina.

Enquanto Wilton analisava os documentos, a recém-chegada foi conhecer o sistema e outros detalhes da rotina com um médico do local.

Ele pediu que ela fizesse o atendimento a um paciente com corte na mão, mas a mulher sequer soube fazer os pontos. Ao mesmo tempo, lembra Wilton, o gerente identificou que a carteirinha era falsa. Os dados foram editados sobre uma imagem da internet. A Polícia Militar foi acionada e a levou à delegacia.

Com o episódio no hospital, a mulher foi indiciada por estelionato, por ter induzido o hospital a acreditar no falso documento para conseguir obter vantagem — um emprego remunerado. Uma amiga da falsa médica pagou a fiança de R$ 1.000, a suspeita foi liberada e pegou o primeiro ônibus para deixar Pouso Redondo.