Estado trabalha em expansão da atividade laboral no sistema prisional

Eduardo Valente/SECOM

Por: Pedro Leal

27/07/2023 - 10:07 - Atualizada em: 27/07/2023 - 10:57

O Governo trabalha com a meta de, ainda em 2023, ter cerca de 10 mil reeducandos em atividade laboral dentro das unidades prisionais do estado. Atualmente, esse número é de cerca de 8 mil, representando 32% da população carcerária catarinense.

Nesse sentido, o Governo, por meio da Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa, trabalha para disponibilizar mais de 6.152 novas vagas nos programas de Atividade Laboral.

Atualmente existem 19 processos publicados de Chamamentos Públicos, os quais irão gerar mais 4.529 novas vagas de trabalho em unidades prisionais; além de outras 1.050 vagas na área têxtil que serão disponibilizadas nos 18 galpões de oficinas próprias da SAP em fase final de construção, com recursos próprios e equipados com maquinário. Já as oficinas do Programa de Capacitação Profissional e Implementação de Oficinas Permanentes, que estão em desenvolvimento, capacitarão 573 internos para novas vagas de trabalho.

“Temos um compromisso de ampliar as vagas de trabalho dentro das nossas unidades. E estamos fazendo isso. É importante essa oportunidade para quem vai voltar ao convívio social, além de garantir um reforço de mão de obra para indústrias e empresas de Santa Catarina”, destaca o governador Jorginho Mello.

O secretário Edenilson Schelbauer explica que a SAP se empenha no alcance dos objetivos de preparação dos reeducandos para a ressocialização, com ensino, profissionalização e ampliação de vagas de trabalho. “Queremos direcionar melhor as potencialidades dos reeducandos visando sua reintegração social”, ressalta.

Como política prisional para o Governo do Estado, o trabalho é uma das ferramentas mais importantes para a ressocialização, uma vez que pode ajudar a preparar os detentos para a vida fora da prisão. “Quando os presos têm a oportunidade de trabalhar durante o cumprimento de suas penas, eles podem adquirir novas habilidades e competências, melhorar sua autoestima e autoconfiança, diminuir os incidentes disciplinares e ter uma experiência profissional que permita uma atividade lícita que possa ser exercida após sua libertação”, argumentou o Diretor-Geral do Departamento de Polícia Penal (DPP/SAP), Leo Feliciano.

De acordo com o Coordenador de Trabalho e Renda do DPP, Antônio Altino de Farias, o trabalho é fundamental para reduzir a reincidência criminal, profissionalização dos reeducandos e, claro, para instrumento de desoneração do Estado pela redução da pena. “Muitos detentos conseguem um emprego após a sua libertação nas mesmas empresas em que trabalhavam no sistema prisional. Isso ocorre porque o trabalho pode proporcionar uma renda estável e uma sensação de responsabilidade e independência, fatores que podem contribuir para a reintegração social do reeducando”, finalizou.

5 tópicos da importância da Atividade Laboral

  • · Fundo Rotativo de Santa Catarina: ferramenta financeira recomendada pela SENAPPEN para toda a Federação e utilizada para gerenciar e aplicar recursos destinados ao fomento da atividade laboral e ressocialização dos apenados. Trata-se de um mecanismo que permite a gestão descentralizada de recursos, ou seja, cada unidade prisional tem acesso a uma verba própria para investir em projetos e atividades que possam contribuir para a reabilitação dos detentos. Santa Catarina recebe frequentemente visitas de comitivas de outros estados da federação em virtude do sucesso em sua gestão e administração do Fundo Rotativo.
  • · Trabalhos de manutenção: os detentos podem ser encarregados de realizar tarefas de manutenção dentro das instalações prisionais, como limpeza, reparo de móveis e equipamentos, pintura, jardinagem, entre outras.
  • · Produção de bens: a grande maioria das unidades do sistema prisional catarinense possuem fábricas ou oficinas onde os detentos trabalham na produção de bens, como roupas, móveis, material escolar, elétricos e eletrônicos, construção civil, entre outros. Essa produção pode ser utilizada dentro da própria instituição ou vendida para empresas externas.
  • · Serviços: alguns detentos são empregados em serviços como cozinha, lavanderia, limpeza, atendimento ao público, entre outros, tanto dentro como fora das instalações prisionais. Atualmente 26 municípios de Santa Catarina utilizam serviços da população carcerária estadual, meta é aumentar o número de municípios atendidos ainda em 2023.
  • · Programas de treinamento: são ofertados programas de treinamento para capacitação profissional, como cursos de informática, mecânica, eletricidade, marcenaria, produção de artefatos de cimento, entre outros.