A DIC (Divisão de Investigação Criminal) de Jaraguá do Sul está investigando casos do golpe do motoboy no município. Pelo menos seis ocorrências foram registradas entre os meses de março e abril deste ano. De acordo com o delegado Diones de Freitas, todas as vítimas dos estelionatários são idosos.

Nos casos registrados em Jaraguá do Sul, os estelionatários se passaram por funcionários da Caixa Econômica Federal. Porém, eles podem se passar por atendentes de outros bancos e de administradoras de cartão de crédito.

“Com a senha, eles passam a fazer saques em caixas eletrônicos e realizam compras em diversos sites. Um casal de idosos teve um prejuízo de R$ 21 mil. Os estelionatários realizaram um saque de R$ 10 mil, uma segunda retirada de R$ 5 mil e uma terceira transação de R$ 6 mil”, informa Freitas, ao comentar que as outras vítimas do golpe tiveram prejuízos menores.

O golpista liga muitas vezes informando os dados verdadeiros do cliente para passar credibilidade. Ele afirma que o cartão foi clonado ou que há compras suspeitas e que é necessário o cancelamento do cartão.

“A gente apurou que se trata de uma quadrilha de São Paulo e que está atuando em todo o Estado de Santa Catarina. Os golpistas conseguem alguns dados de forma ilícita, como nome, telefone e endereço. Uma mulher liga e pede que a vítima faça uma ligação para o número no verso do cartão, mas permanece na linha. A pessoa acredita que está passando CPF e senha, além de outras informações para o banco, mas está falando com a golpista”, explica o delegado.

A vítima é orientada a entregar o cartão para um funcionário do banco. Em seguida, um golpista vai de moto ou com um veículo de aplicativo até a casa da vítima para fazer o recolhimento.

Alerta

O delegado regional Fabiano dos Santos Silveira, destaca que houve um aumento de golpes feitos pela internet e por telefone durante a pandemia do novo coronavírus. O estelionato é o crime que mais tem registros na Delegacia Virtual da Polícia Civil em Jaraguá do Sul e em todo o Estado.

“O que a gente vem reiterando para a comunidade é que se adote sempre uma conduta de cautela com relação a abordagem de desconhecidos, seja na forma pessoal, na saída de um banco ou de uma lotérica; ou por meios telemáticos, pela internet ou por telefone”, destaca.

Além de nunca repassar dados pessoas através dos meios virtuais ou por telefone, as pessoas precisam ficar atentas a qualquer vantagem oferecida, o que pode indicar o golpe. Se alguém perceber alguma situação de estelionato, pode procurar a Polícia Militar por meio do número 190 ou a Polícia Civil através do 181.