Demora para votar e esperança de um futuro melhor marcam as Eleições em Jaraguá do Sul

Eleitores enfrentaram filas nas seções localizadas no Marista | Foto: Felipe Schmidt/Arquivo Pessoal Eleitores enfrentaram filas nas seções localizadas no Marista | Foto: Felipe Schmidt/Arquivo Pessoal

Segurança

Por: Claudio Costa

domingo, 03:16 - 07/10/2018

Claudio Costa

O clima frio e chuvoso não assustou o eleitor de Jaraguá do Sul, que saiu cedo para votar nas Eleições deste domingo (7). O movimento foi intenso durante a manhã nos locais de votação e o jaraguaense precisou de paciência para enfrentar as filas.

Em algumas seções, como a do Colégio Marista São Luís, no Centro, onde a espera para votar era de cerca de uma hora.

A aposentada Fátima Gonçalves, 59 anos, votou reclamou da demora para realizar o voto no Marista. A sala em que estava inscrita tinha duas seções e uma urna.

“Eu achei o processo muito demorado. Eram duas seções com muita gente para votar. Achei até muito penoso para algumas pessoas ficarem na fila”, descreve.

De acordo com o Cartório Eleitoral, dois fatores nestas Eleições estão contribuindo para a demora na hora da votação. Neste pleito, o eleitor precisa realizar seis votos, um para presidente, dois para senador, um para governador, uma para deputado federal e um para deputado estadual.

Além disso, há a biometria, que pode falhar em alguns casos. Os mesários e fiscais foram orientados sobre as dificuldades durante o treinamento.

“Nós fizemos pela primeira vez o processo totalmente biométrico em Jaraguá do Sul e Corupá. Imaginamos que o processo daria uma maior celeridade e a demora não seria igual às eleições pretéritas. Mas acabou demorando. Detectamos esse problema e estamos tentando minimizar e auxiliar para que haja uma melhora no fluxo”, analisa, ao assegurar que o processo foi implantado para dar mais segurança para as Eleições.

Apesar da fila, votação foi tranquila na na Escola de Ensino Básico Holando Marcellino Gonçalves | Foto: Fábio Junkes/OCP News

Sobre o número de candidatos, o chefe do cartório constata que muitos dos eleitores não levaram a cola, uma dica, segundo ele, amplamente divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral através de campanhas nos meios de comunicação e também em reportagens sobre o processo de votação.

“Os eleitores têm razão em reclamar. Eu mesmo fui votar e fiquei uns bons minutos na fila. Muita gente até levou a cola, mas, na hora de ir na cabina, não sabia a ordem de votação e acabou se atrapalhando”, constata.

A Polícia Militar, responsável pelo segurança nas Eleições, prendeu duas pessoas por boca de urna em Corupá e Jaraguá do Sul. Os policiais militares também verificaram denúncias, mas não resultaram em flagrante.

Algumas pessoas ligaram para o número 190 para relatar problemas com as urnas eletrônicas, mas a orientação da PM é para que os eleitores procurem fiscais, mesários, o Cartório Eleitoral ou registrem a reclamação através do número 0800 647 3888.

Polícia Militar garantiu a segurança nos locais de votação | Foto: Fábio Junkes/OCP News

Duas urnas eletrônicas foram substituídas no início da manhã em Jaraguá do Sul. Uma estava instalada na Escola Municipal de Ensino Fundamental Albano Kanzler, no bairro Nova Brasília, e a outra Escola Municipal de Ensino Fundamental Antonio Estanislau Ayroso, no bairro Jaraguá 99.

Os equipamentos foram trocados e a votação nas respectivas seções seguiu normalmente. Outra urna chegou a apresentar defeito em Corupá, mas voltou a funcionar após ser reiniciada.

Nestas eleições a expectativa é de haja alguma mudança para o País. A vendedora Larissa de Souza, 22 anos, votou na Escola de Ensino Básico Holando Marcellino Gonçalves, no bairro Ilha da Figueira.  Ela espera que haja serenidade tanto para aqueles que vencerem a eleição quanto para quem perder.

“O voto serve para definir o rumo do Brasil. Esperar resultados mais satisfatórios no futuro é o que todo mundo quer”, afirma a jovem que vota pela segunda vez.

O voto como instrumento essencial para a manutenção para o Estado Democrático de Direito também estava na mente do eleitor. O mecânico Maicon Gilmar Kreutzfeld, 33 anos, votou na Escola de Ensino Básico Professor Jose Duarte Magalhaes, no bairro Barra do Rio Cerro.

Maicon defende que o país está acima de todos os cidadãos. “Eu acho que todos devemos votar pela democracia, por ser brasileiro”, destaca.

Desempregado, Fernando Luis Garcia, 52 anos, reclama das opções de candidatos para presidente. Apesar disso, ele não deixa de votar e espera que o país melhore após esse pleito. “O voto é muito importante. O brasileiro tem que votar e ser sincero na hora do voto”, comenta.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?

×
close