A Defesa Civil de Santa Catarina inaugurou nesta sexta-feira (13) o Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd) de Jaraguá do Sul. Com investimento de R$ 853.082,57 o espaço vai servir, principalmente, para a ação em casos de enchentes, deslizamentos e outros desastres naturais que possam atingir as cidades as quais pertencem a Associação dos Municípios do Vale do Itapocu (AMVALI). O Cigerd de Jaraguá do Sul faz parte de um plano maior aplicado em todo o Estado. Ao todo, estão sendo instaladas outras 20 estruturas como a que foi inaugurada na cidade. O centro recém inaugurado funciona no estacionamento da Arena Jaraguá. “Nós fizemos um investimento estratégico com o objetivo de tornar o Estado mais seguro. O governador Eduardo Pinho Moreira colocou como meta a finalização dos planos feitos nos últimos anos. A instalação dos centros regionais, dos radares meteorológicos, das ferramentas de previsão de curto prazo, os equipamentos que provém esses centros e as equipes que trabalham custaram cerca de R$ 105 milhões”, comenta o secretário de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, ao ressaltar que, colocando que o Estado tem mais de 7 milhões de habitantes, o investimento é de cerca de R$ 15 por habitante de Santa Catarina. O secretário afirma que, sem contar com algumas adequações no projeto, cada centro custa aproximadamente R$ 850 mil. Ao todo, 18 dos 20 centros estão em operação e os outros dois ainda a serem inaugurados, de Joinville e Criciúma, estarão funcionando até a inauguração do Cigerd da Capital, na próxima quarta-feira (18). Com computadores de ponta, os centros serão a base das coordenadorias regionais da Defesa Civil de Santa Catarina. "Todos os centros estarão interligados à Florianópolis por meio de tecnologias de comunicação. É mais agilidade para se comunicar com os municípios em caso de evento adverso, por exemplo", comenta Moratelli. O centro possui cerca de 160 metros quadrados, construído com nove módulos de ferro galvanizado. É uma estrutura autossuficiente capaz de permanecer operacional mesmo com falta de energia elétrica na cidade. Além de alimentar o centro, o gerador pode gerar energia para a Arena Jaraguá.  Ao todo, o espaço conta com 12 computadores, um servidor e um grande telão. De lá, poderão ser feitas teleconferências com o Cigerd de Florianópolis e diretamente com o governador em desastres e crises. Outros órgãos poderão utilizar a estrutura em casos de epidemias ou mesmo em uma fuga em massa do Presídio Regional de Jaraguá do Sul. “Nós estamos adotando uma política de gestão de gerenciamento de riscos. O nosso planto tem como referências os principais planos de gerenciamento de riscos do mundo, onde a gente procurou formar parcerias com o Japão, os Estados Unidos e a União Europeia. Tudo sempre adaptado às realidades regionais, às realidades regionais e às realidades da própria lei, que impõe atribuições a nível de governo, diferente de outros países”, ressalta o secretário.