Em nota enviada ao  jornal O Correio do Povo, o defensor público Sidney  Hideo Gomes explicou que apesar de ter solicitado a reconstituição da tentativa  de homicídio envolvendo o acusado Luiz Gustavo Vieira, não foi notificado sobre o ato que seria realizado às 14h de segunda-feira (12), quando  o suspeito, que está detido  em Porto União, foi trazido  a Jaraguá, e por isso não compareceu ao local, na Vila Lenzi. “Em nenhum momento, a Defensoria Pública foi comunicada da diligência, em que pese a sede da instituição distar dois quarteirões tanto da Delegacia de Polícia da Comarca como do Fórum local”, destaca. Sidney ressalta que desde o início da tarde de segunda estava em audiência de instrução e julgamento na 1ª Vara Criminal e que foi informado sobre a reconstituição no meio das audiências, já no decorrer da tarde. “Sobre a realização da diligência, comuniquei por telefone o perito criminal sobre a impossibilidade de comparecimento, deixando claro, porém, que a reprodução simulada dos fatos poderia ser realizada sem minha presença. Ao que consta, o perito é que decidiu não realizar a diligência”, afirma o defensor público.