Um histórico com dezenas de passagens policiais desde a adolescência. Elienae Vargas Tartari, de 23 anos, teve a trajetória criminal interrompida na tarde desta quinta-feira após uma sequência de assaltos - uma das suas atividades criminosas corriqueira -, no Distrito de Guatá, em Lauro Müller. Ele foi alvejado por um vigilante após roubar um veículo, foi socorrido, mas não resistiu no hospital. Antes, residências já haviam sido invadidas por ele e seus comparsas. Dois foram presos. Um deles usava tornozeleira eletrônica.

Dos crimes praticados, os contra o patrimônio (furto, roubo) são os mais comuns em sua ficha criminal. Há processos nas cidades de Braço do Norte, Urussanga, Araranguá, Jaguaruna e Criciúma, onde morava, no bairro Vila Zuleima. Fora os crimes praticados não descobertos ou na menoridade.

Aliás, em Criciúma, e ao fim de seus 17 anos, foi das mãos dele que saíram os tiros que atingiram um policial militar de folga, em 1º de fevereiro de 2016. O militar, naquela manhã, fazia a segurança privada do malote de um supermercado quando foi surpreendido por quatro criminosos no pátio da agência do Bradesco, do bairro Pinheirinho.

O policial, que sobreviveu, à época acreditava que teria sido reconhecido por Elienae do Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep), que ficava naquela época também no bairro Vila Zuleima, onde também fazia a segurança da unidade de internação de menores infratores. Os três adultos envolvidos neste crime já foram condenados por roubo, latrocínio tentado, receptação e corrupção de menores.