O réu Cleiton Stanck Silveira foi condenado, em sessão do Tribunal Júri promovida nessa quinta-feira, na Comarca de Tubarão, a 49 anos de prisão pelo homicídio duplamente qualificado que vitimou uma menina de cinco anos e três tentativas de homicídio duplamente qualificado. A sessão de julgamento, presidida pelo juiz Guilherme Mattei Borsoi, titular da 1ª Vara Criminal da comarca, teve quase 14 horas de duração.

Segundo a denúncia, o réu e outras quatro pessoas, que integravam uma organização criminosa, se organizaram para demonstrar sua força para a facção rival, resolveram tirar a vida de um dos integrantes do grupo adversário e também vingar a morte de um membro de sua facção. Eles teriam criado um perfil falso em uma rede social, fingindo ser uma jovem, trocado mensagens e marcaram um encontro com o alvo principal do crime, um adolescente.

No dia dos fatos, em maio de 2014, no bairro Dehon, na cidade-sede da comarca, o jovem chegou ao local de carro na companhia de duas mulheres e da filha de uma delas, de cinco anos. Foi então que os denunciados, dando execução ao plano e sem se importar com as demais passageiras, disparam pelo menos sete vezes contra o veículo atingindo, sem gravidade, a coxa e o pé adolescente, mas causando a morte da pequena Ana Carolina Alexandre Sorato, que foi atingida por dois tiros, sendo um na cabeça.

O Conselho de Sentença reconheceu que os crimes, um homicídio e três tentativas, foram praticados por motivo torpe e mediante emboscada, além do crime conexo de corrupção de menores. O réu foi condenado a 49 anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Ele estava preso desde março de 2019. Cabe recurso da decisão ao TJSC.