A noite desta terça-feira (4) foi de muita comoção em frente ao Centro de Educação Infantil Pró-Infância Aquarela, onde pela manhã cinco pessoas foram mortas por um rapaz de 18 anos, armado com facas.

Foto: Rodrigo Kroth

Foto: Rodrigo Kroth

Foto: Rodrigo Kroth

Foto: Rodrigo Kroth

O velório das cinco vítimas do atentado será coletivo, informou a prefeitura de Saudades. A cerimônia será no Parque de Exposições Theobaldo Hermes, onde funciona o ginásio da cidade. No local, uma missa será celebrada nesta quarta-feira (5), às 9h.

 

O que se sabe sobre o atentado

A tragédia da pequena cidade de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, começou por volta das 10h desta terça-feira (4). Com cerca de 9 mil habitantes, o município foi surpreendido pela ação repentina de Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, que invadiu uma creche e matou cinco pessoas.

Ele chegou de bicicleta ao CEI Pró-Infância Aquarela, no centro da cidade. A escola atende crianças de 6 meses a 2 anos de idade.

Segundo a polícia, Fabiano atacou as vítimas com duas lâminas "grandes e sofisticadas", uma delas parecida com uma espada oriental.

Vídeo: Willian Ricardo/NDMais.

 

De acordo com o delegado da comarca de Pinhalzinho, Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pela investigação, as duas armas tinham sido compradas recentemente. As embalagens foram encontradas na casa de Fabiano.

"É um facão sofisticado, quase parece uma espada, e bem pontudo. Ele estava com uma faca menor, também sofisticada. Algumas pessoas relataram tiros, mas eram artefatos explosivos, bombinhas pequenas para fazer barulho", detalhou o delegado.

Fabiano atacou primeiro a professora Keli Adriane Anieceviski, 30 anos. Ela estava perto da entrada e foi a primeira vítima. Keli tentou fugir entrando numa das salas da creche, justamente onde estavam as outras cinco vítimas.

Além de Keli, também foram mortas a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos e as crianças Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses; Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses; e Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses.

Um outro menino de 1 ano e 8 meses foi atingido no rosto e no tórax. Ele foi levado para o Hospital Regional do Oeste (HRO) em Chapecó, onde passava por cirurgia na noite desta terça-feira (4). O ferimento mais grave é uma perfuração num dos pulmões, que precisou passar por drenagem.

Segundo o Instituto Geral de Perícias (IGP), o assasssino desferiu ao menos cinco facadas em cada vítima.

"Um dos bebês chegou a ter cinco perfurações nas costas, cinco no tórax e duas na cabeça", informou a Polícia Civil.

O IGP também informou que os corpos das cinco vítimas foram encaminhados ao necrotério do instituto no HRO em Chapecó e seriam liberados às 22h desta terça-feira (4), com previsão para chegar às 23h em Saudades. As famílias foram até o necrotério em um micro-ônibus para reconhecimento das vítimas.

 

Professoras salvaram as demais crianças

Havia cerca de 30 crianças na creche pela manhã, mais a equipe da escola. Fabiano não conseguiu fazer mais vítimas porque quando algumas professoras perceberam o que estava acontecendo, trancaram as demais crianças em salas, inclusive no fraldário.

Funcionárias da limpeza também conseguiram retirar algumas crianças correndo da escola.

Os vizinhos da creche ouviram os gritos, foram até a unidade escolar e também ajudaram - entre elas uma professora que trabalha no Pró-Infância Aquarela no período da tarde e mora em frente à unidade escolar.

 

Autor tentou suicídio

Segundo a Polícia Militar, após os crimes, o assassino deu golpes contra o próprio corpo, na tentativa de tirar a própria vida. Ele foi levado em estado gravíssimo para o Hospital Beneficente de Pinhalzinho, cidade vizinha, por volta das 11h. À tarde, por volta das 13h, ele também foi transferido para o Hospital Regional do Oeste (HRO) devido ao estado grave em que se encontrava.

A Polícia Militar teve que fazer a proteção de ambos os hospitais onde Fabiano recebeu atendimento, porque manifestantes protestavam na entrada, indignados com o crime.

O Departamento de Administração Prisional (Deap) e a Polícia Civil também reforçam a escola no hospital em Chapecó.

 

O autor

De acordo com o delegado, o autor do crime foi identificado como uma pessoa introspectiva, que havia se afastado dos amigos e nem sequer tinha celular.

Além disso, ele possivelmente sofria bullying na escola e tinha comportamentos incomuns. O rapaz teria dito à irmã, dias antes, que a arma posteriormente utilizada no crime seria usada para matar o coelhinho dela.

No entanto, pessoas próximas relataram ao delegado que, apesar do perfil introspectivo, nunca perceberam nada de anormal no rapaz e jamais imaginaram que ele cometeria o crime que chocou o país.

Ainda de acordo com o delegado, o jovem mora em Saudades, trabalhava e não tinha passagens pela polícia. Na casa dele, foi apreendido o computador, que será usado na investigação e ainda R$ 11 mil em dinheiro.

Segundo a polícia, a família disse que o dinheiro é de salários que o assassino guardava. Ele trabalhva numa empresa de produção de roupas.

 

 

Motivação do crime

A Polícia Cvil aguarda Fabiano estar em condições de prestar depoimento para interrogá-lo. Até o fim da tarde desta terça (4), ele ainda estava internado e não havia sido ouvido.

“O objetivo maior é traçar o perfil e ver o que podemos fazer para prevenir outros casos assim”, disse o delegado.

Colegas de trabalho e familiares de Fabiano relataram ao delegado que ele morava com os pais, uma irmã e a avó e não costumava sair.

"Ele era muito introspectivo, não tinha muitos amigos e os que tinha se afastou nas últimas semanas. Dormia na mesma cama que o pai. O pai falou que ele tinha medo de dormir sozinho, judiava dos bichinhos da casa, nada grave. Sofreu bullying na escola", disse o delegado.

 

Luto oficial

Foi decretado luto oficial por três dias no município de Saudades e também no Estado de Santa Catarina.

"É o dia mais triste da história do nosso município. [...] Infelizmente este fato aconteceu. E em uma cidade tão tranquila como a nossa, onde jamais imaginamos que poderíamos passar por um momento assim. [...] Somos um município acolhedor, com pessoas de bem e estamos assustados. Agradecemos a todos que estão unindo forças para elucidar esta questão o quanto antes. Lamentamos este ocorrido que está causando muita dor a todos nós, simplesmente pelo fato de saber que esses pais e demais familiares perderam todas essas pessoas", disse o prefeito Maciel Schneider.