Uma operação policial contra o tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e organizações criminosas foi deflagrada na manhã desta quinta-feira, simultaneamente, em Caxias do Sul e Vacaria, no Rio Grande do Sul, e Criciúma.

Na cidade do Sul catarinense, o alvo foi o empresário formal do ramo da alimentação, Reginaldo de Oliveira Magagnin, que fugiu das polícias durante as buscas pela manhã.

Ao todo, 11 mandados de busca e apreensão e quatro de prisão preventiva foram cumpridos nas primeiras horas da manhã. Um dos mandados ocorreu dentro da Penitenciária Estadual de Caxias do Sul, onde o líder da organização criminosa, e principal alvo da operação policial, estava preso.

A operação denominada “Galeria”, em alusão ao presidiário investigado, é fruto de um trabalho de mais de nove meses de investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, juntamente com a Agência Regional de Inteligência da Brigada Militar do Comando de Polícia Ostensivo da Serra.

"Desde o início da operação foram apreendidos o equivalente a mais de R$ 2,5 milhão em drogas. O trabalho de Inteligência acabou chegando num dos maiores fornecedores de droga de Santa Catarina, que mantinha ligação direta com o líder da organização criminosa na serra. Com ele foram apreendidos no curso da operação mais R$ 1,8 milhões em dinheiro. Nesta manhã foram cumpridos mandados de prisão na residência onde ele morava em Criciúma, mas ele não foi localizado e será dado como procurado da justiça", informou a Agência Regional de Inteligência da Brigada Militar do Comando de Polícia Ostensivo da Serra.

Quarenta e um veículos com vínculos com os investigados, que eram utilizados pelo grupo para prática de condutas criminosas, também tiveram restrição de circulação e transferência deferida pela justiça. Foram apreendidos ainda, seis veículos, 3,403 quilos de maconha, 20,337 quilos de cocaína e 58,895 quilos de crack. Duas mulheres e cinco homens foram presos ao longo da operação.

O líder da organização criminosa na serra foi denunciado por novos crimes e transferido para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas. A justiça ainda deferiu a indisponibilidade de um dos imóvel que era usado como uma das bases da organização criminosa, no Distrito de Santa Lúcia, interior de Caxias do Sul.

Durante o cumprimento de mandado no endereço, além de valores, foram apreendidos materiais relacionados à lavagem de dinheiro, animais exóticos e localizada uma fábrica de armas artesanais. Duas pessoas acabaram presas no local, uma delas, alvo do mandado de prisão preventiva.

O líder criminoso ainda é suspeito de planejar e comandar de dentro da penitenciária a execução de dois homens no início deste ano em Canasvieiras, em Florianópolis. O duplo homicídio teria sido motivado por uma disputa territorial entre as organizações criminosas.

A operação, contou como apoio de policiais do 4º Batalhão de Polícia de Choque, Força Tática e Canil do 12º BPM; Grupamento Aéreo da Brigada Militar de Caxias do Sul; Força Tática do 10º BPM, Polícia Rodoviária Federal (PRF); Susepe; Gaeco/SC, Batalhão de Polícia Ambiental e Polícia Militar do Estado de Santa Catarina.


Com informações da Agência Regional de Inteligência da Brigada Militar do Comando de Polícia Ostensivo da Serra / Fotos: Jackson Cardoso – CRPO/Serra