Com informações do jornal Extra. Nesta quinta-feira (2), o 35º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento em Itaboraí, prendeu a 300ª pessoa, numa conta que começou no dia 10 de novembro, quando o tenente-coronel Marcelo Carmo assumiu a unidade, na Região Metropolitana do Rio. Uma média de mais de três detenções por dia. E esse 300 é mais que um número: era a meta da unidade para ser alcançada até o carnaval. O número não é por acaso, e a eficiência do batalhão também não. “É um filme sobre guerreiros e vitórias. O 300 foi escolhido por isso, e foi uma forma de motivar a equipe num tempo de tanta incerteza política e econômica”, explica Carmo, que frisa que a tarefa não foi tão difícil. “A equipe é aguerrida. Das melhores que já trabalhei nos meus 24 anos de PM”. Os números mostram o resultado. A meta de janeiro era reduzir o número de roubo de rua a 152, mas foram registrados apenas 86. Outro indicador importante de criminalidade, o número de carros roubados, apesar de estar em queda, ainda fica acima da meta prevista. Pelas ruas do Jardim Shangri-lá, no distrito de Manilha, área com alto índice de assaltos, os moradores garantem que estão, sim, mais seguros. “A minha rua tinha média de três assaltos por semana. Faz um mês que não tem um. Tem mais policiais por aqui, principalmente nas horas de mais movimento”, diz Alexandre Teixeira, de 46 anos, auxiliar administrativo. Alexandre mesmo sofreu dois assaltos, no ano passado, em ônibus no seu bairro. A próxima campanha no batalhão é pelos 500 Por que criar uma espécie de campanha para motivar os policiais militares? A crise econômica e política é grave. Quem tem uma equipe grande de funcionários estaduais para comandar precisa ganhá-los de alguma forma, criar ferramentas de motivação, usar endomarketing. O filme 300 nos inspirou para tirar 300 marginais das ruas. A cidade não tem uma característica de muitas prisões. Então, quando o número subiu muito, chamou a atenção. Isso é trabalhado com a equipe no WhatsApp, em conversas e vira uma missão coletiva. Une as pessoas. Quais os pontos altos da empreitada? Prendemos o 01 e o 02 da Reta, que eram Cara de Cavalo (Franklin Michael da Costa Moura, de 35anos) e Verdão (Jonhnathan Criatian da Silva Araújo, de 24), no dia 24 de janeiro. Com eles, apreendemos o nosso segundo fuzil em dois meses, um deles avaliado em R$ 70 mil, equipado até com luneta. O que vem depois? A próxima campanha é pelos 500. Inspirado pelos 500 que viram Jesus ressuscitado. Que sirva também como desejo de recuperação de quem está fora da lei. O que surte mais efeito, combater o tráfico ou os assaltos de rua? Os dois criminosos que falei iam roubar uma carga. Está tudo junto. A crise afetou a venda de drogas. Se o cara não vende o suficiente para pagar a boca, ele assalta. O número de roubo de carros está 20 casos acima da meta, de 44. Estamos combatendo o crime, mas o que temos na região não é apenas roubo para bonde de bandidos. Há quadrilha agindo para desmanche. Já estamos em contato com a Polícia Civil. Vale a pena ver de novo Não é a primeira vez que os resultados de um batalhão da região são comparados a um filme. Em 2014, quando ainda era comandante do 7º BPM (São Gonçalo), o coronel Fernando Salema foi homenageado com uma montagem usando o cartaz do longa policial Stallone Cobra. Na época, a cidade entrava na crise de violência, com índices criminais disparando. salema-cobra Além do filme, ele ganhou até um funk composto por um dos seus subordinados, como agradecimento pela melhora no trabalho policial no município. Demonstração de que motivação faz a diferença. Estatísticas 298: Pessoas foram presas ou apreendidas até ontem na área do 35º BPM desde que o comandante Carmo assumiu. Três só ontem. Média de 3,5 prisões por dia. 77: Esta é a participação de menores de idade nas contas de detenção do batalhão. Equivale a quase 26% do total. 5 cidades: Além de Itaboraí, o 35º BPM é responsável pelo policiamento de Tanguá, Cachoeiras de Macacu, Rio Bonito e Silva Jardim. 474: Este é o número de policiais lotados na unidade, responsável por atender uma população estimada pelo IBGE, em 2016, de 399.334 pessoas. 45: Armas apreendidas nos últimos 83 dias. São 17 revólveres, 21 pistolas, cinco espingardas e dois fuzis. Outras 16 armas eram falsas. 59: Quilos de entorpecentes foram encontrados, sendo 42 de maconha e 17 de cocaína.