A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou na manhã desta quinta-feira (19) a Operação “Êxodus” em combate a atuação de uma associação criminosa interestadual, sediada em Balneário Camboriú, litoral norte do Estado, e que fornecia e remetia porções de drogas sintéticas a diversos estados. A investigação é da Divisão de Investigação Criminal (DIC/PCSC) de Laguna.

Foram cumpridos 13 mandados judiciais, sendo seis mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão.

As investigações foram iniciadas pela DIC/PCSC após a Polícia Rodoviária Federal efetuar, na madrugada de 11 de dezembro de 2020, duas prisões em flagrante por tráfico de drogas em Paulo Lopes, área pertencente à 18ª Delegacia Regional de Laguna.

Com um dos homens, à época preso em flagrante, estavam cerca de 1.600 comprimidos de ecstasy, os quais, segundo apurado naquele procedimento, seriam destinados ao Rio Grande do Sul. Com o outro, também preso algumas horas depois, havia quase 700 gramas da substância conhecida por MDMA.

A partir de então houve a investigação, a qual descobriu que os 1.600 comprimidos de ecstasy apreendidos teriam sido fornecidos por um empresário de Foz do Iguaçu, com algumas residências em Balneário Camboriú, e tido como líder de uma possível organização criminosa enraizada em Foz do Iguaçu (PR) e Balneário Camboriú.

Ainda, que este mesmo empresário acabou, no próprio dia 10 de dezembro de 2020, vendendo os referidos comprimidos a uma associação criminosa instalada em Balneário Camboriú e que efetuava a remessa para diversos Estados.

O delegado, coordenador da DIC/PCSC, representou por uma série de medidas cautelares, entre as quais a expedição de seis mandados de prisão preventiva, aí se incluindo a do empresário, e sete mandados de busca e apreensão.

Flagrante

Durante as diligências, um dos investigados também foi preso em flagrante por ocultar, em sua residência, 23 tabletes de maconha (cerca de 10 quilos).

Mulas e lideranças

De acordo com o delegado Bruno Fernandes, coordenador dos trabalhos, a investigação teve o objetivo de responsabilizar não só as pessoas conhecidas como ‘mulas’ como também os líderes e demais componentes dessas associações criminosas.

Participaram da operação, realizada em Balneário Camboriú e Foz do Iguaçu, policiais civis da DIC/PCSC de Laguna, DIC/PCSC de Balneário Camboriú, policiais lotados em comarcas pertencentes à 29ª Delegacia Regional de Balneário Camboriú e ainda policiais civis do DENARC de Foz do Iguaçu.