Na última quarta-feira (25), o prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli – junto de outros prefeitos do Estado – foi até Florianópolis para reunião com o governador Pinho Moreira. Na oportunidade, ele aproveitou para reforçar alguns pleitos do município.
Além de tentar conseguir recursos para pavimentação, saúde, retomada das obras do elevado da BR-280, em Guaramirim, também levantou o desejo da criação de um Colégio Militar na cidade.
Em Blumenau e em Joinville as aulas já começaram este ano, e em Laguna, a previsão é que as aulas comecem em 2019, porque a escola Jerônimo Coelho onde deverá funcionar a unidade, passará por reformas.
A intenção da instalação dessas escolas é que seja resgatado o civismo, a disciplina e o respeito, aliado à qualidade do ensino-aprendizagem.
Mas o que um Colégio Militar tem de diferente?
Esses espaços costumam ser bem diferentes das escolas regulares, tendo regimentos internos bastante rígidos, além de um cotidiano quase ritual. Confira algumas práticas:
– Cantar hinos (da cidade, do Estado, do Brasil, etc) todos os dias pela manhã;
– Formar pelotões todos os dias pela manhã;
– Saber marchar e prestar continência;
– Ter um rodízio de um regente de classe que, dentre outras tarefas, fica responsável por informar os alunos faltantes ao professor;
– Limpar a sala de aula ao final de cada dia;
– Ter no currículo a disciplina de Instrução Geral da Polícia Militar, que percorre todos os anos e dá a noção sobre o trabalho da corporação;
– Usar uniforme;
– Não pintar unhas ou cabelo.