A Secretaria de Esporte e Lazer da Prefeitura de Jaraguá do Sul registrou 10 casos de vandalismo em áreas de lazer do município em 2018.

O último deles foi percebido na manhã desta terça-feira (17), após um morador do bairro Estrada Nova entrar em contato com a secretaria para denunciar danos causados na academia da terceira idade localizada na rua Maria Nanete Menel.

No dia anterior, a Prefeitura de Jaraguá do Sul, por meio da Secretaria de Planejamento e Urbanismo, havia registrado boletim de ocorrência por conta do ato de vandalismo praticado na sexta-feira (13), na praça que fica no fim da rua Presidente Epitácio Pessoa.

Além de danificar uma proteção de metal, os vândalos furtaram um dos refletores instalados recentemente.

Dono de um comércio de gás no Estrada Nova, Onélio Vilas Boas, 49 anos, se revolta com o estado da academia ao ar livre do bairro. Segundo ele, a Polícia Militar realiza rondas diárias na área, mas não consegue flagrar o vandalismo.

“Eles arrancam as peças e jogam no meio da rua. Ontem (segunda), a polícia não levou porque não quis. Esses 'vagabundinhos' ficam aí até umas 22h. Eles começam a chegar umas 14h e ficam até de noite usando drogas”, desabafa .

Os vândalos tentam atear fogo nos equipamentos, quebram balanços, cortam telas, furtam areia das quadras, quebram lixeiras, furtam e danificam mudas e peças de academias ao ar livre em diversos pontos da cidade.

Segundo um levantamento feito pela secretaria, a pedido da reportagem do jornal O Correio do Povo, os bairros em que aconteceram os casos foram Estrada Nova, Centenário, Jaraguá 99 e João Pessoa.

De acordo com o secretário de Cultura Esporte e Lazer, Augustinho Ferrari, é difícil calcular o prejuízo que os atos de vandalismo causam aos cofres públicos porque os equipamentos das academias ao ar livre, o principal alvo dos vândalos, acabam sendo reparados na oficina da Prefeitura. Ele ressalta que os aparelhos mudam conforme a empresa que vencedora da licitação.

“Hoje, você não consegue peças de reposição. Então, nós levamos os aparelhos para a oficina da Prefeitura. Nós arrumamos o que dá para consertar. Soldamos, trocamos algum parafuso e trocamos alguma peça. Em poucos casos, a gente consegue alguma peça de reposição”, destaca o secretário, ao explicar que academias ao ar livre são construídas para durar de três a quatro anos, mas acabam sendo danificadas no primeiro ano de uso.

Hoje, os 36 bairros de Jaraguá do Sul contam com 81 áreas de lazer, entre quadras de areia, parquinhos e academias ao ar livre. Todas as áreas estão inseridas em um cronograma de manutenção.

O trabalho de roçada, limpeza e conserto é feito por equipes formadas por presos do Presídio Regional de Jaraguá do Sul. Mas o cuidado não impede que os locais, muitas vezes isolados, sejam alvos de depredações.

Uma solução encontrada pela secretaria pode fazer com que o número de ocorrências de vandalismo diminua em Jaraguá do Sul é a concentração das áreas.

“Vamos procurar áreas grandes para que toda a comunidade possa fazer o uso da área de lazer em um só lugar, como acontece no Ginásio Esportes Arthur Müller. Isso faz com que muitas pessoas façam a supervisão do espaço. Também é preciso ter iluminação, pois essas pessoas gostam de ficar em locais escuros”, avalia Ferrari.

Polícia Militar atua na prevenção

O subcomandante do 14º Batalhão de Polícia Militar, major João Carlos Benassi Borges Kuze, destaca que as guarnições de Radiopatrulha são incentivadas a observar comportamentos suspeitos e a abordar pessoas nas áreas de lazer.

Segundo ele, muitas pessoas vão até esses locais com intuito de fazer o uso de drogas e bebidas alcoólicas, o que acaba estimulando a depredação dos espaços públicos.

“A Polícia Militar realiza diuturnamente operações para evitar qualquer tipo de dano ou depredação. As guarnições identificam o tempo todo situações onde há fundada suspeita, caracterizadas pelo local, postura ou comportamento das pessoas", conta o oficial.

"Elas são identificadas e muitas vezes são pessoas que já cometeram delitos, conhecidas pelas guarnições. Os policiais militares fazem a buscas pessoais e nos arredores para encontrar drogas e armas brancas, por exemplo”, completa.

Kuze esclarece que muitos dos abordados são menores de idade. Ele aponta que a PM tem uma política de não tolerância a depredação de equipamentos públicos e propriedades privadas e isso se reflete nas constantes abordagens feitas pelas guarnições.

Segundo o major da Polícia Militar, é preciso a união entre o Estado, através da polícia, a escola, “muitas vezes sobrecarregada no dever de educar”, e também da família. Desse modo, é possível diminuir os casos desse tipo.

Outro ponto relacionado pelo oficial é a participação da comunidade. Segundo Kuze, é essencial que a comunidade faça denúncias sobre qualquer situação de depredação que ocorra na cidade.

“A comunidade das cidades atendidas pelo 14º Batalhão não tolera esse tipo de comportamento. Não tolerando, ela faz a denúncia. Denunciando, a polícia consegue agir mais rapidamente e consegue manter isso sob controle”, finaliza.

Casos registrados em Jaraguá do Sul

Rua Presidente Epitácio Pessoa, Centro - uma ocorrência em 2018

  • Refletor furtado;
  • Proteção de metal danificada;

Loteamento Casa Nova, bairro Jaraguá 99 – duas ocorrências em 2018

  • Barra de ferro dos balanços quebrada;
  • Tentativa de atear fogo no escorregador;
  • Telas de proteção da quadra de areia cortadas em diversos pontos;
  • Furto de areia tratada.1+

Bairro Centenário, área de lazer ao lado da Apae - uma ocorrência em 2018

  • Lixeiras quebradas (estavam cheias de garrafas de bebidas alcoólicas);
  • Assentos de madeira do carrossel furtados;
  • Peças da academia arrancadas furtadas;

Bairro João Pessoa, rua Alvin Muller – uma ocorrência em 2018

  • Escorregador danificado;
  • Peças da academia de ginástica furtadas;
  • Tela de proteção da quadra danificada.

Bairro João Pessoa, rua Oscar Ferreira Mendes – duas ocorrências em 2018

  • Peças furtadas da academia de ginástica.

Bairro Estrada Nova, rua José Picolli – uma ocorrência em 2018

  • Furto de Peças;
  • Aparelhos quebrados.

Bairro Estrada Nova, rua Maria Nanette Menel – duas ocorrências em 2018

  • Lixeira arrancada. Um foi instalada e arrancada novamente em menos de 30 dias;
  • Mudas de árvores arrancadas;
  • Dois bancos quebrados.

Quer receber as notícias no WhatsApp?