Foto/Divulgação

Foto/Divulgação

A antiga Casa de Câmara e Cadeia de Florianópolis, que abrigará o futuro Museu da Cidade Prefeito Sérgio Grando, conta, pela primeira vez desde que foi inaugurada há 247 anos, com sistema preventivo contra incêndio, atendendo as instruções normativas do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina.

Foto Divulgação/PMF

O sistema previsto no projeto de restauração do prédio, que é um dos três mais antigos e significativos da Capital, busca, diante de caso de incêndio, combater seu foco e minimizar a propagação do fogo, proporcionar segurança aos ocupantes e diminuir os danos.

"Isso demonstra a preocupação que temos com a preservação do patrimônio histórico e com a integridade da vida humana", destacou o Prefeito Gean Loureiro.

Assim, tanto a edificação de 1771 quanto o novo anexo construído dispõem de 12 extintores de fácil localização e utilização, uma vez que estão dispostos em suportes metálicos em seus amplos corredores, por exemplo.

Assim como de rede com dois hidrantes com mangueiras, estando um no térreo e o outro no pavimento superior, e um terceiro hidrante de recalque na calçada externa à construção, para uso exclusivo dos bombeiros.

Foto Divulgação/PMF

Até mesmo a nova caixa d’água, colocada sobre o telhado do anexo devido ao peso, tem reservatório de cinco mil litros tido como reserva técnica de incêndio.

O sistema preventivo contra incêndio compreende iluminação e sinalização de abandono de local, detecção e alarme de incêndio, e proteção contra descargas atmosféricas.

Sendo que, ao todo, a estrutura possui em torno de 25 blocos autônomos de iluminação de emergência e cerca de 20 placas indicativas de saída; um detector de fumaça, oito acionadores de emergência manuais e uma central que identifica onde foi acionado um eventual chamado; para-raio no novo telhado do prédio histórico e os devidos equipamentos de aterramento.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?