Foto: Lúcio Sassi/Arquivo OCP Reportagem de Natália Trentini para o jornal O Correio do Povo.

Com início da instalação da rede coletora de esgoto, o trânsito da rua Max Wilhelm ficará em meia pista a partir desta segunda-feira (8). Serão instalados pelo Semae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) cerca de três quilômetros de tubulação na via e em laterais, uma obra que deve levar 60 dias para ser totalmente concluída.
“Ficou determinado que nós vamos fechar inicialmente em meia pista, o trânsito vai fluir, mas será preciso cautela dos motoristas. É uma obra que vai mexer com o bairro todo”, avalia o diretor de Trânsito, Irio Riegel.

Na rua principal, serão entre 20 e 25 dias de trabalho, estima o presidente do Samae, Ademir Izidoro. A implantação da rede coletora começa do posto de gasolina, localizado na esquina com a Rua Adélia Fischer. As máquinas devem iniciar o serviço às 8 horas.

“Um pouco de transtorno será causado, isso é normal e a gente pede compreensão da população. Não tem como fazer rede de água e esgoto sem transtorno, mas o avanço é importante”, pontua Izidoro. Cerca de 790 imóveis serão ligados ao sistema de tratamentos, beneficiando em torno de 3,5 mil pessoas.

Depois, para fazer com que a rede da Max Wilhelm seja interligada e o material chegue até a estação de tratamento do bairro Ilha da Figueira, as laterais Maximiliano Hiendlmayer, José Stulzer, Bertha Kassner, Augusto Mielke, Guilherme Guielov, Ney Franco, Linda Rux Mathias, Maria Freiberger Pamplona, Martha Paul Winter, Henrique Passold, Georg Niemann, Servidão 352, Affonso Bartel e Fritz Bartel também receberão a instalação do serviço.