A Associação Amigos da Segurança do Vale do Itapocu entregou, nesta quarta-feira (28), um novo superdrone para a 12ª RPM (Região de Polícia Militar). O equipamento custou R$ 43 mil e foi adquirido com recursos do Ministério Público de Santa Catarina e da campanha que a entidade realiza em parceria com o OCP.

“O primeiro equipamento adquirido acabou danificado após uma queda. Com os recursos do Ministério Público com os arrecadados por meio da campanha de assinaturas do OCP, nós conseguimos comprar um novo, pois Jaraguá do Sul não pode ficar sem esse drone”, explica o presidente da associação, Álvaro Leithold, ao ressaltar que um segundo equipamento do mesmo modelo será adquirido ainda em 2021.

O DJI Matrice 200 V2 é um equipamento robusto e feito para um trabalho mais intensivo. O sócio da empresa que forneceu o drone, Walter Maia, ressalta que o superdrone pode ser utilizado tanto no mapeamento de áreas quanto no policiamento.

“Esse drone aguenta diversas intempéries, como um chuvisco leve e ventos fortes. A principal vantagem dele é a possibilidade de carregar câmeras”, destaca Maia.

Além de estar equipado com uma câmera com zoom com alcance de até 1.600 metros, o superdrone da Polícia Militar retorna com uma grande novidade: uma câmera termal. Esse assessório custou R$ 80 mil e foi adquirido com recursos da Prefeitura.

Foto: Cláudio Costa/OCP News

O comandante da 12ª RPM, tenente-coronel Márcio Leandro Reisdorfer, ressalta que o superdrone foi repassado para a Polícia Militar em regime de comodato. O oficial comenta que essas tecnologias potencializam o trabalho policial.

“É o melhor equipamento desse tipo em operação no Estado. A câmera termal pode ser utilizada nas buscas a um criminoso em uma área de mata ou mesmo nas buscas de uma pessoa que se perdeu”, frisa.

O promotor titular da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Jaraguá do Sul Alexandre Schmitt dos Santos, lembra que esse é um grande investimento no trabalho da segurança pública na região. O equipamento será operado pela PM, mas poderá ser utilizado em ações da Polícia Civil, do Deap (Departamento de Administração Prisional) do IGP (Instituto Geral de Perícias) e da Defesa Civil.

“As possibilidades de utilização desse drone vão depender da criatividade de quem estiver operando, pois são infinitas as possibilidades. É um equipamento fundamental tanto para o policiamento preventivo quanto para a questão de investigação de crimes, desde o tráfico de drogas até crimes ambientais”, reitera.