Após uma série de testes em Jundiaí (SP), Orion escolhido para ser o novo filhote do soldado do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CMBSC), Luciano Rangel. O cãozinho chegou na semana passada e vai atuar nas ocorrências de busca e resgate no 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar, em Lages.

Há quatro meses, Rangel perdeu seu outro cão, Barney, em uma missão de busca em um rio na cidade de Içara. O soldado selecionou o novo cão no dia em que completaram 120 dias da morte de Barney e agora começa uma nova história.

“O Barney sempre vai estar presente na minha vida e é muito importante para mim. O Orion começa a trajetória dele comigo agora e nós vamos trabalhar muito para que ele possa traçar o próprio caminho. Um nunca vai ser substituto do outro”, reforça o soldado.

O presidente da Coordenadoria de Busca e Resgate com Cães do CBMSC, tenente-coronel Walter Parizotto, explica que não é uma tarefa simples a escolha dos cães. De acordo com Parizotto, tudo começa pela escolha do canil em que o filhote nasceu.

“Nós fizemos um mapeamento entre os canis do país que atendem às nossas exigências de saúde dos cães e que apresentam laudos negativos para possíveis doenças, como a atrofia de retina e a displasia coxofemoral, que podem acometer a raça. Depois disso é que escolhemos o local”, explica Parizotto.

Rangel passou dois dias no canil fazendo os testes específicos para a seleção, que começa com a avaliação dos pais do animal. “Me chamou a atenção o comportamento extremamente dócil do pai, muito próximo e que gosta de estar entre as pessoas”, aponta o soldado.

O filhote de 65 dias foi escolhido entre quatro selecionados, após ser aprovado em todas as etapas da análise, que aponta o temperamento, as habilidades, além da interação do animal. “O Orion foi colocado em um ambiente desconhecido e respondeu muito bem a todos os estímulos. Ele gosta muito de brincar e é bastante curioso. Um cão colaborativo, mas também independente”, conta Rangel.

Os bombeiros militares buscam cães que adoram brincar e que gostam de conviver com pessoas. Desse modo, os animais encaram o trabalho como uma brincadeira. Além das habilidades do cão, também são testadas a sensibilidade a ruídos e a resiliência.

O tutor também destaca a facilidade com que Orion resolve conflitos. “Eu achei interessante, durante a avaliação, a maneira com que ele resolveu os problemas apresentados. Ele é muito focado e determinado”, ressalta o soldado.

A partir de agora, Orion passa a morar na casa de Rangel e terá um treinamento intensivo até completar 18 meses. Depois, ele poderá ser submetido à primeira certificação para atuar como cão de busca e resgate do CBMSC.

Receba no seu WhatsApp somente notícias sobre Segurança Pública da região (Trânsito, Operações Policiais. etc...):