A Polícia Civil do Rio Grande do Sul já conseguiu encontrar e capturar o adolescente que confessou ter atacado alunos de uma escola de Charqueadas a golpes de machadinha nesta quarta-feira (21). Em depoimento para a polícia, o menor confessou que planejava o ataque há pelo menos três meses e deu detalhes sobre o planejamento do ataque, inclusive fornecendo informações sobre a data em que comprou a gasolina usada para a fabricação de coquetéis molotov.

O ex-aluno da escola, disse que foi até o local para levar a irmã, e depois, decidiu entrar para matar um desafeto, ex-colega que o chamada de "mudinho" entre outros apelidos. No relato feito às autoridades, três horas depois de ter sido apreendido, ele disse que não sabia o nome do ex-colega, somente o apelido. Por isso, a investigação tenta coletar outras provas. Conhecidos do agressor disseram que ele não demonstrava atitudes violentar e nem mudanças de comportamento. Aos policiais, o adolescente revelou o desejo de cometer suicídio após o ataque e disse que se inspirou no massacre ocorrido em uma escola em Suzano, em São Paulo.

O adolescente tem 17 anos e está internado provisoriamente em uma unidade da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase). Ele poderá ficar internado provisoriamente por 45 dias e, nesse período, a Justiça da Infância e da Juventude de Charqueadas deverá tomar uma decisão sobre a medida socioeducativa aplicada. Se a sentença for por internação, ele poderá ficar até três anos recolhido, mesmo depois de completar 18 anos.

Relembre o caso

Adolescente invade escola com machado e gasolina e ataca alunos e professora no RS

Com informações da Gaucha ZH

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger