Acusado de furtar e destruir uma viatura da Polícia Rodoviária Federal em Jaraguá do Sul, Wagner Bueno da Silva, 34 anos, continua detido no Presídio Regional de Joinville. Na tarde da última segunda-feira (7), ele passou por uma audiência de custódia na 1ª Vara Federal de Joinville. Em videoconferência, o acusado foi ouvido pelo juiz da 1ª Vara Federal de Jaraguá do Sul e depois retornou para a unidade prisional. Wagner protagonizou uma verdadeira história de cinema neste sábado (5). Por volta das 22h25, o veículo dirigido por ele, um Chevrolet Cruze com placa de Blumenau, colidiu na traseira de um Volkswagen Gol com placa de Guaramirim no quilômetro 74 da BR-280, em Jaraguá do Sul. Com o impacto, os dois veículos saíram da pista e o Gol se chocou contra um poste. Ninguém ficou ferido com gravidade. Mas, durante o atendimento, Wagner assumiu a direção de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal e fugiu. De acordo com o policial rodoviário federal Carlos Possamai, chefe substituto do Núcleo de Comunicação da PRF, infelizmente, essa é uma situação que os agentes da Polícia Rodoviária Federal estão sujeitos no cotidiano. Segundo Possamai, o acusado se aproveitou de uma situação de fragilidade para enganar o agente que estava atendendo a ocorrência. “A pessoa estava machucada, lesionada. Ele (Wagner) alegou que estava com medo de apanhar dos populares após o acidente. O policial rodoviário federal, dentro de um contexto de polícia cidadã, prensou na integridade física do homem e o colocou no banco de trás do veículo”, comenta. Wagner aproveitou que o policial rodoviário federal foi entregar a chave para o motorista do guincho e pulou para o banco da frente. “A viatura estava ligada por causa dos faróis e das luzes de emergência, pois o veículo fazia a sinalização da rodovia durante a noite. Certamente, o policial não pensou que isso fosse acontecer”, ressalta Possamai. Reportagem de Cláudio Costa para o jornal O Correio do Povo