O acidente registrado na noite de ontem na abertura do Natal Cultural de Joinville, que deixou 33 pessoas feridas, dentre elas, 11 crianças, trouxe à tona a recordação de outro caso, este de forma mais trágica, que ocorreu em Santa Catarina, também relacionado às festividades de Natal.

Em 1998, em Urussanga, Sul catarinense, um jovem, fantasiado de Papai Noel, morreu em um evento natalino. Ele descia por uma tirolesa na praça da cidade e, no meio do caminho, teve a barba da fantasia enroscada na corda do aparelho.

Para resolver o problema, uma pessoa da equipe do evento cortou a barba trancada, mas com ela, a corda que o segurava. O jovem caiu e morreu. Não havia bombeiros no local e a vítima não era profissional da área de rapel.

Os organizadores do evento chegaram a ser condenados pela 4ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça a pagar uma indenização à família da vítima.

A Prefeitura, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e uma empresa local foram sentenciadas a pagar R$ 25 mil de indenização por danos morais, além de garantir o pagamento de pensão mensal aos pais do rapaz, até a data em que ele completaria 70 anos.

No caso de Joinville, onde uma galeria cedeu, todas as vítimas já receberam alta hospitalar e passam bem.