Visando evitar que Fundo Eleitoral passe dos R$ 5 bilhões, Novo apresenta emendas à LDO

Foto: Câmara dos Deputados

Por: Pedro Leal

28/11/2023 - 08:11 - Atualizada em: 28/11/2023 - 08:15

O partido Novo apresentou três emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), buscando evitar que o Fundo Eleitoral chegue a R$ 5 bilhões.

Em nota, a legenda afirmou que as propostas “buscam conter o aumento proposto para o Fundo Eleitoral na LDO, que está sendo discutido pela Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO)”.

As informações são da Gazeta do Povo.

O partido propõe zerar o valor do Fundo Eleitoral em 2024; manter o que já foi proposto no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2024, ou seja, R$939,3 milhões; ou estabelecer um limite máximo de R$ 2 bilhões.

“Em um país em que ainda falta o básico é um absurdo se considerar um Fundão Eleitoral de quase 5 bilhões. É uma total inversão de prioridades. Vamos lutar para barrar esse aumento absurdo”, disse a líder do Novo na Câmara, Adriana Ventura (SP).

No início deste mês, a CMO aprovou o relatório preliminar do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024. A expectativa é de que o relator, deputado federal Danilo Forte (União-CE), apresente o relatório final da LDO nesta semana. No parecer, ele deverá detalhar recursos para investimentos federais, emendas parlamentares e o Fundo Eleitoral.

“A estratégia do partido Novo reflete sua busca por restrições no financiamento eleitoral, apresentando emendas que variam desde a eliminação do Fundo até a definição de limites mais moderados. O debate sobre o Fundo Eleitoral continua sendo uma questão central no cenário político brasileiro”, disse o partido.

O presidente do Novo, Eduardo Ribeiro, afirmou que o ideal seria extinguir o Fundo Eleitoral. “O Brasil já é o país que mais gasta dinheiro público com partidos políticos. Mas, mesmo assim, o Congresso parece insaciável, e sempre dá um jeito de aumentar. Por isso, iremos abordar uma estratégia legislativa mais pragmática e tentar evitar o pior”, ressaltou Ribeiro.